Deputado e advogado pedem que TSE investigue disparo de mensagens de Carlos e Eduardo

Os filhos de Jair Bolsonaro estariam planejando internacionalizar o disparo de mensagens de texto pelo aplicativo Telegram

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Justiça,Política

O deputado federal Rui Falcão (PT-SP) e o advogado Marco Aurélio de Carvalho protocolam um pedido no Tribunal Superior Eleitoral para que sejam apuradas tentativas de “driblar” o controle do disparo de massas por parte do vereador Carlos Bolsonaro e do seu irmão, o deputado Eduardo Bolsonaro.

O pedido foi protocolado no procedimento em que se cobrava do presidente Jair Bolsonaro a apresentação de provas sobre fraudes no sistema de votação brasileiro. 

Em agosto, o corregedor Luis Felipe Salomão converteu o procedimento em inquérito administrativo para apurar fatos que possam caracterizar abuso de poder econômico, político, uso indevido de meios de comunicação social, corrupção, fraude e propaganda eleitoral antecipada. 

 

 

 

De acordo com reportagem do UOL, Carlos e Eduardo planejam internacionalizar disparo de mensagens de texto pelo aplicativo Telegram. 

Segundo consta no pedido, o plano era tentar “driblar” a atuação do STF e do TSE ao contratar empresas internacionais para promover os disparos de mensagens em massa. A produção do conteúdo continuaria a cargo de Carlos. 

A estratégia dificultaria o controle de órgãos do Estado contra robôs difusores de notícias falsas ou retiradas de contexto. 

Segundo os autores, tal prática estaria revestida de inequívoco caráter ilícito e aumentaria as chances de se frustrar a efetividade da jurisdição brasileira. 

O pedido cita os esforços do TSE de buscar contatos diplomáticos com o Telegram para negociar regras de moderação de conteúdos com distribuição nacional.  No entanto, afirmou que essa frente pode não ser “exitosa o suficiente para afastar os riscos que um aplicativo que permite grupos de até 200 mil usuários representa”. 

Também é requerido que sejam aumentados os esforços para contatar a empresa russa responsável pelo aplicativo de troca de mensagens, assim como a realização de audiências públicas para de discutir meios técnicos capazes de impedir que conteúdos ilícitos sejam acessados no Brasil, para defesa do Estado Democrático de Direito. 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem