Educação

assine e leia

Depois da tormenta

Em meio ao calamitoso quadro da educação, o próximo governo terá de buscar mais recursos sem descuidar da gestão, avalia Priscila Cruz

“Parece que um tornado devastou o MEC”, diz a presidente do Todos pela Educação - Imagem: Redes sociais
Apoie Siga-nos no

O cenário é desolador. Para 2023, Jair Bolsonaro reservou 5,9 bilhões de reais para a educação básica, valor 34% inferior ao orçamento deixado por Temer e a menor verba em 11 anos. As universidades federais, que chegaram a retardar a ­retomada das atividades presenciais por falta de recursos para pagar despesas básicas, como água e luz, seguem na penúria. Mais de 200 mil pesquisadores sofreram atrasos no pagamento de bolsas de mestrado e doutorado. Diversos órgãos do Ministério da Educação foram sucateados ou completamente abandonados. “É como se você tivesse uma casa destruída por um tornado. Depois de reerguê-la, ainda terá de equipá-la”, compara Priscila Cruz, presidente-executiva e cofundadora do movimento Todos pela Educação, que integra a equipe de transição do presidente Lula.

Diante do calamitoso cenário e do aperto fiscal imposto pelo teto de gastos públicos, a especialista defende que o novo governo tenha atenção redobrada ao planejar os investimentos na educação pública. “Não dá para desperdiçar recursos em projetos que não trarão resultados significativos para os alunos”, afirma Cruz, mestre em Administração Pública pela Harvard Kennedy School of Government.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.