Justiça

Democracia saiu fortalecida após ataques golpistas, diz Pacheco no STF

O presidente do Senado, candidato à reeleição, alinhou-se às demais autoridades na defesa das instituições

Rodrigo Pacheco (PSD-MG) discursa na abertura Judiciário. Foto: Reprodução/TV Brasil
Apoie Siga-nos no

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), discursou na cerimônia de abertura do ano do Poder Judiciário, realizada na sede do Supremo Tribunal Federal nesta quarta-feira 1º. A sessão contou, também, com as presenças do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), do procurador-geral da República, Augusto Aras, e do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Beto Simonetti, além de outras autoridades.

Em seu pronunciamento, Pacheco reforçou críticas aos ataques golpistas de 8 de janeiro. O presidente do Congresso Nacional afirmou que “o autoritarismo de uma minoria inconformada tentou ameaçar a democracia”, mas “o Poder Judiciário mostrou a força de sua resiliência”.

Pacheco destacou também o aspecto simbólico da sessão. “Esse encontro se torna ainda mais significante com a reabertura deste plenário menos de um mês após ataques criminosos, num episódio de ofensa à democracia que ficará marcado em nossa história.”

A cerimônia foi a primeira após o início do processo de reconstrução do plenário do STF, um dos mais danificados pelos golpistas.

O senador destacou que o fato de as autoridades estarem reunidas na sede do Tribunal é a expressão da vitalidade do Estado Democrático de Direito, “que sai ainda mais forte após o episódio reprovável, que não será esquecido e produzirá consequências severas aos responsáveis”.

A responsabilização dos invasores das sedes dos Três Poderes foi mencionada por todas as autoridades que discursaram. Além disso, o tom de defesa das instituições democráticas esteve presente nos pronunciamentos, especialmente no da presidente do STF, Rosa Weber.

“Todos conhecem meu apreço ao Poder Judiciário para a estabilidade institucional. As ameaças de subversão não encontram eco em mim”, prosseguiu Pacheco.

Ele disse, ainda, acreditar no diálogo, no respeito e na moderação como bases para o enfrentamento dos “enormes desafios do Brasil”. Finalizou o discurso afirmando que “qualquer gesto que vise à desarmonia entre os Poderes da República afronta a Constituição”. 

Na tarde desta quarta-feira 1º, ocorrerá a votação para a presidência do Senado. Pacheco concorre à reeleição, em disputa que deverá ser acirrada com Rogério Marinho (PL-RN).

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo