Política

Dallagnol celebra Moro ministro e nega prejuízo à Lava Jato: ‘ridículo’

Segundo procurador, se Moro tivesse aspiração política, ele poderia ter se tornado presidente ou senador nas últimas eleições

O procurador comemorou a decisão de Moro
Apoie Siga-nos no

Em texto publicado em suas redes sociais, Deltan Dallagnol, procurador-chefe da Operação Lava Jato em Curitiba, celebrou a confirmação de Sérgio Moro como ministro da Justiça do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL). 

“Minha avaliação pessoal – não estou falando nesse post pelas equipes que trabalham na Lava Jato, que podem ter diferentes visões desse assunto – é de que a decisão é bastante positiva para a causa anticorrupção e para o país”, escreveu Dallagnol. 

Leia também:
Políticos reagem nas redes sociais a Moro ministro de Bolsonaro
Moro se afasta de casos para evitar “controvérsias desnecessárias”

O procurador diz ser necessário fazer uma “análise crítica” dos ataques à reputação da Lava Jato, “como aqueles que acusam o juiz de ter, desde sempre, aspiração política”. “Isso é ridículo. Se o juiz Sérgio Moro tivesse aspiração política, ele poderia ter se tornado presidente ou senador nas últimas eleições com alta probabilidade de êxito.” Ele disse que “mentiras” como essa “não vão abalar a Lava Jato”. 

Dallagnol diz acreditar que Moro poderá impactar ainda órgãos importantes como a Polícia Federal, a CGU e o Coaf, “ampliando sua influência positiva dos casos em Curitiba para todo o país”. 

O procurador também elogiou o fato de Moro ter levado consigo uma publicação com um pacote de Novas Medidas Contra a Corrupção antes da reunião com Bolsonaro. “O juiz Sergio Moro vai ao Ministério da Justiça por um bem maior: consolidar os avanços da Lava Jato e avançar contra o crime organizado, problemas extremamente preocupantes no nosso país, assim como defender o fortalecimento da democracia, que é pressuposto da luta contra a corrupção.”

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo