Política

Delação de Mauro Cid detalhou o funcionamento do ‘gabinete do ódio’ de Bolsonaro, diz jornal

O ex-braço-direito teria ainda exposto o envolvimento de integrantes da família Bolsonaro com as milícias digitais

PF mira entorno do ex-capitão em nova operação. São alvos: o ex-ajudante de ordens de Bolsonaro Mauro Cid; seu pai, o general Mauro Lourena Cid; e o advogado do clã do ex-capitão Frederick Wassef. Fotos: PR; Alesp; e AFP
Apoie Siga-nos no

O ex-ajudante de ordens da Presidência da República, general Mauro Cid, teria detalhado o funcionamento do “gabinete do ódio” do governo Jair Bolsonaro (PL) em seu acordo de delação premiada. A informação é da colunista do O Globo, Bela Megale. 

No relato, Cid teria apontado o papel de cada assessor de Bolsonaro na estratégia de comunicação que envolvia a disseminação deu informações falsas e ataques a desafetos do ex-capitão, como os ministros do Supremo Tribunal Federal. 

Cid também teria citado nomes dos integrantes do governo que estimulavam o uso do “gabinete” para atacar adversários, além de identificar aqueles que tentaram amenizar as tensões criadas entre o ex-capitão e o Judiciário.

Durante a gestão bolsonarista, conteúdos editados e tirados de contexto eram disseminados nas redes sociais como estratégia política para inflamar as bases do ex-presidente. 

O detalhamento da operação que envolvia as milícias digitais fazia parte das negociações do acordo com a Polícia Federal, homologado pela Justiça em setembro. Com a delação do braço-direito de Bolsonaro, os investigadores buscam reunir provas para compor o inquérito que investiga a atuação dos grupos nas redes digitais. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.