CartaExpressa

Bolsonaro ironiza condenação pelo 7 de Setembro e diz que Moraes quer alijá-lo da política

“No momento, ele [Moraes] está tendo vitória, mas tudo nessa vida é dinâmico”, disse o ex-capitão no litoral paulista nesta sexta-feira 3

O ex-presidente Jair Bolsonaro. Foto: Evaristo Sá/AFP
Apoie Siga-nos no

Depois de sofrer mais um revés no Tribunal Superior Eleitoral na última semana, o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou que o ministro do STF Alexandre de Moraes tem a intenção de alijá-lo da política e que, por enquanto, o magistrado está sendo vitorioso. As declarações foram dadas nesta sexta-feira 3, durante conversa com jornalistas em Santos (SP).

O ex-capitão fez a fala enquanto se referia à segunda condenação sofrida na Justiça Eleitoral por abuso político nas eleições de 2022. Desta vez, Bolsonaro e o general Walter Braga Netto (então candidato a vice-presidente) foram punidos por utilizar a cerimônia do Bicentenário da Independência, em 7 de Setembro do ano passado, para se beneficiar politicamente.

“A gente está vendo qual a estratégia nossa [para recorrer ao TSE], se bem que não tem estratégia. Estratégia é o que o Alexandre de Moraes quer. E a gente sabe o que ele quer. É me alijar da política”, declarou. “No momento, ele [Moraes] está tendo vitória, mas tudo nessa vida é dinâmico“.

Moraes, além de ministro do Supremo, é também presidente da Corte Eleitoral. Também conduz inquéritos que miram diretamente Bolsonaro e seus aliados mais próximos em apurações que vão desde um suposto desvio de presentes oficiais, à utilização da Presidência para estimular atos antidemocráticos.

Questionado sobre a decisão mais recente do TSE, Bolsonaro ironizou a condenação. “Realmente, o Alexandre de Moraes ficou apavorado com milhares de pessoas do Brasil todo nas ruas [no 7 de Setembro]”, afirmou o ex-presidente, que ainda continuou a criticar o magistrado. “Ele, inclusive, debocha. Um juiz não pode agir dessa maneira”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo