Política

Das raízes aos novos ramos: um guia rápido do laranjal do PSL

Pomar de desvio de verba continua dando frutos – e não deve parar de florescer tão cedo

(Foto: Creative Commons/Reprodução)
(Foto: Creative Commons/Reprodução)

Não é exagero afirmar que o laranjal é o maior problema de Jair Bolsonaro e de seu partido, o PSL. O escândalo que já custou a cabeça de Gustavo Bebianno continua dando frutos – e não deve parar de florescer.

Tudo começou com a revelação de que o Coaf investigava as contas bancárias de Queiroz, ex-PM e braço direito de Flavio Bolsonaro. Mas o caso Queiroz – que envolve pagamentos à primeira-dama e até a milicianos – não é o único fantasma a assombrar o governo.

A árvore começou a aparecer em fevereiro. No dia 4, a Folha de S. Paulo revelou que o ministro do Turismo Marcelo Álvaro Antonio, que chefia o PSL em Minas, repassou verba a pelo menos quatro candidatas suspeitas de atuarem como laranjas.

Dias depois, o jornal trouxe à tona a história de Maria de Lourdes Paixão, candidata a deputada em Pernambuco que recebera – a três dias da eleição – 400 mil reais do fundo partidário. Teve 274 votos e gastou 380 mil em uma única gráfica.

Leia também: Aviso a Bolsonaro: "Está tratando com profissionais, não com laranjal"

Lourdes foi a terceira maior beneficiária de verba do PSL em todo o país. O estado, vale lembrar, é base eleitoral de Luciano Bivar, cacique do partido que cedera a presidência a Bebianno durante as eleições. A PF apura o caso.

Agora, o pé de laranjas ganhou um outro galho. Se durante as eleições o partido usou candidaturas femininas para repassar dinheiro não declarado, começam a aparecer as relações suspeitas entre blogueiros bolsonaristas e políticos aliados.

Um dos casos diz respeito à uma colaboradora do blog Terça Livre, responsável pela falsa denúncia que inspirou os ataques de Bolsonaro a uma repórter do Estadão. O jornal descobriu que trabalha para o deputado Bruno Engler (PSL) em Minas Gerais.

Leia também: MP mira “laranjas” por disparo de notícias falsas nas eleições de 2018

Outro blog bolsonarista, o República de Curitiba, também está implicado. Candidata a deputada nas últimas eleições, a dona do portal repassou ao marido – que trabalha na Embrapa – 60% da verba eleitoral que recebera do nanico PRP para a campanha. Passadas as eleições, diz a Folha, Elisa Robson ganhou um cargo no gabinete de Flávio Bolsonaro com salário de 8,6 mil reais.

Pelo menos uma das candidatas envolvidas no esquema mineiro relata que o ministro Alvaro Antonio, então candidato a deputado federal, pediu a devolução de parte da verba recebida. Em depoimento ao Ministério Público Eleitoral, Adriana Borges disse que tomou um susto com a “proposta indecente” do assessor dele: receberia 100 mil, mas teria de devolver 90 mil e ainda emitir 9 cheques em branco. Outras quatro mulheres devem ser ouvidas.

Alvaro Antonio nega tudo. Foi ao STF reclamar foro privilegiado, mas voltou atrás e o caso foi arquivado. Entre uma manobra e outra, o ministro do Turismo bambeia no cargo. O processo de fritura dele já começou, embora em fogo bem mais brando que o de Bebianno. Se fossem laranjas, acrescentando um pouco de açúcar virariam uma geleia.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!