Política

Da China, Lula convoca reunião com governadores e prefeitos para discutir violência nas escolas

A reunião acontecerá na próxima terça-feira 18 no Palácio do Planalto; os presidentes do Supremo, da Câmara e do Senado também foram convidados

O presidente Lula em café da manhã com jornalistas em 6 de abril. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) convocou uma reunião com governadores, ministros do governo, representantes dos prefeitos e os presidentes da Câmara, do Senado e do Supremo Tribunal Federal para discutir ações contra a escalada de violência nas escolas.

A informação foi confirmada a CartaCapital pelo Ministério da Educação.

O petista, que está em viagem à China, acertou os detalhes do encontro por telefone com o ministro Rui Costa (Casa Civil). A reunião acontecerá na próxima terça-feira 18 no Palácio do Planalto, apurou a reportagem. A ideia é construir uma “reflexão nacional” em torno do tema e pensar uma “agenda de debates” sobre prevenção.

A reunião vem na esteira da série de medidas anunciadas pelo governo federal para conter a escalada de violência no ambiente escolar. Na quarta-feira, um aluno da EMEF Isaac Alcântara, no interior do Ceará, deixou duas colegas feridas após um ataque a machadinhas.

Este foi o quinto episódio de violência no ambiente escolar nos últimos 15 dias. Além disso, autoridades policiais também identificaram dezenas de ameaças nas redes sociais.

Em outra frente de atuação, o Ministério da Justiça editou uma portaria que mira a responsabilidade das plataformas digitais pela veiculação de postagens com apologia à violência nas escolas. O documento estabelece diretrizes para as empresas atuarem diante de conteúdos que configuram “grave ameaça” à ordem pública.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.