Política

Chamado de “problema”, presidente da Fundação Palmares ataca Regina Duarte

Regina Duarte chamou bolsonaristas exonerados de ‘facção’ e irritou Sergio Camargo, conhecido por negar o racismo no Brasil

Sergio Camargo com retrato de Bolsonaro. Foto: Reprodução/Twitter
Apoie Siga-nos no

O presidente da Fundação Palmares, Sergio Camargo, está em pé-de-guerra com a recém-nomeada secretária especial de Cultura Regina Duarte após uma entrevista que a atriz deu no domingo 08, em que ela classificou o autodenominado “negro de direita e antivitimista” como um problema a ser resolvido após a “poeira abaixar” em relação às polêmicas que envolvem Camargo.

Nas redes sociais, Sergio Camargo ironizou o bom dia que desejou aos seguidores, e aproveitou para mandar um recado à secretária. “Bom dia a todos, exceto a quem chama apoiadores do Bolsonaro de facção e o negro que não se submete aos seus amigos da esquerda de “problema que vai resolver”.”, escreveu, mencionando trechos da entrevista da atriz ao Fantástico, da Rede Globo.

Na entrevista, Regina Duarte disse que a nomeação fez com que ela tivesse que encarar uma “facção” que queria ocupar a pasta, motivos pelos quais uma hashtag #ForaRegina já tinha sido criada e impulsionada por bolsonaristas. No dia da nomeação de Duarte, seis homens seguidores de Olavo de Carvalho, o guru ideológico do governo, foram exonerados de seus cargos na secretaria da Cultura, o que gerou ataques vindos inclusive de Olavo.

Ao ser questionada sobre Sergio Camargo, cuja reputação remonta a falas que atacam o movimento negro, a política de cotas, a vereadora Marielle Franco e uma série de ironias em relação ao racismo no Brasil, a atriz afirmou que este é um “problema” que irá lidar mais tarde.

“Voltamos aí a esta situação da política, que interfere no fazer cultural, na medida que temos uma pessoa que é um ativista mais do que um gestor público. Eu estou adiando esse problema porque esta é uma situação muito aquecida. Quero que baixe um pouco a temperatura e logo, logo a gente vai ver”, disse.

Sergio Camargo chegou a ser impedido de assumir o comando da Fundação Palmares após uma decisão da Justiça Federal do Ceará considerar suas falas impróprias para o seu cargo. O Superior Tribunal de Justiça (STJ), porém, derrubou a liminar que suspendia a nomeação do jornalista no começo de fevereiro.

Recentemente, Jair Bolsonaro publicou uma foto ao lado de Camargo, que foi republicada pelo ativista com o comentário de que estava “confirmadíssimo na presidência da Fundação Cultural Palmares”. No dia da nomeação de Regina Duarte, a atriz chegou a dizer que iria cobrar a carta branca que lhe foi oferecida ao aceitar o cargo na secretaria.

https://twitter.com/jairbolsonaro/status/1234954729509343234

“Você não vai fazer filme pra agradar a minoria”

Na entrevista, Regina Duarte também afirmou acreditar que o dinheiro público deva ser usado seguindo diretrizes dadas pela orientação do governo, e disse não se incomodar com o apoio declarado de Jair Bolsonaro à ditadura, que chegou a censurar novelas em que a atriz atuou.

 

“Eu acho que pra trás não existe, ninguém vive olhando pro retrovisor. Vamos ficar no presente e vamos olhar pra frente.”, reiterou em um momento. Depois, questionada sobre coibições à expressões artísticas diversas, a atriz complementou:

“Eu acho que o dinheiro público deve ser usado de acordo com algumas diretrizes importantes, porque é o que população que elegeu esse governo espera dele. [O governo] governa pra todos. E todos estão livres pra se expressar. Contanto que busquem seus patrocínios na sociedade civil. Você não vai fazer filme pra agradar a minoria com dinheiro público.”, disse.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo