Política

Celso de Mello diz que ato na USP é ‘severa advertência a Bolsonaro e seus epígonos’

O ex-ministro do STF avalia que o manifesto ‘traduz expressão legítima do povo brasileiro, que deseja viver sem a opressão de governantes menores’

Celso de Mello
O ex-ministro do STF Celso de Mello. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil . Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O ex-ministro do Supremo Tribunal Federal Celso de Mello avalia que o ato em defesa da democracia realizado na Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, nesta quinta-feira 11, representa um “gesto histórico de inequívoco apoio da cidadania ao regime democrático, severa advertência ao presidente Jair Bolsonaro e aos seus epígonos e veemente repulsa à pretensão de mentes sombrias e autocráticas”.

Em nota enviada ao jornal O Estado de S.Paulo, Mello destacou que o movimento também ocorreu em outras cidades do País e sinaliza que os brasileiros não esqueceram dos “abusos, indignidades, mortes e torturas” que marcaram a ditadura militar.

Para ele, o evento na USP, que apresentou a leitura oficial da carta pela democracia, demonstra a vontade da população de “viver, sem a opressão de governantes menores, em clima de respeito ao princípio da liberdade e de reverência ao postulado da democracia constitucional”.

“Enquanto houver essa legítima resistência da cidadania, fundada na autoridade suprema da Constituição da República, em oposição àqueles que minimizam e degradam o valor eticamente superior da ordem democrática, não haverá espaço possível reservado à intolerância, ao ódio, ao tratamento do adversário político como inimigo, a manifestações ofensivas à institucionalidade, à formulação de pretensões autoritárias, ao desrespeito à ‘rule of law’ e à transgressão dos princípios estruturantes consagradores do Estado Democrático de Direito.”

O ex-magistrado havia sido convidado a ler a carta na USP, mas recusou devido a problemas de saúde. Ao receber o convite, Celso de Mello afirmou que Bolsonaro “busca permanecer na regência do Estado, mesmo que esse propósito individual, para concretizar-se, seja transgressor do postulado da separação de poderes e revelador de uma irresponsável desconsideração das instituições democráticas”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo