Política

Caso Roberto Jefferson pode ter interrompido evolução de Bolsonaro, diz Lavareda

Pesquisa Ipespe mostra que o ex-presidente Lula (PT) tem uma vantagem de 6 pontos percentuais sobre o ex-capitão

Roberto Jefferson e Jair Bolsonaro. Foto: Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

O cientista político Antonio Lavareda, responsável pela pesquisa Ipespe, afirmou que o episódio do ex-deputado Roberto Jefferson (PTB), que atirou e jogou granadas contra agentes da Política Federal ao resistir a prisão, pode ter contribuído para a interrupção da evolução do presidente Jair Bolsonaro no levantamento do instituto.

Pesquisa publicada nesta terça-feira 25 mostra que o ex-presidente Lula (PT) tem uma vantagem de 6 pontos percentuais sobre o ex-capitão. O petista soma 50% das intenções de voto, ante 44% do atual presidente.

A cinco dias do segundo turno, Lavareda considera que uma virada é improvável. “Uma reviravolta é muito difícil. Nunca houve na última semana numa eleição presidencial no Brasil”, escreveu Lavareda em análise enviada a jornalistas. “Só um fato extraordinário poderia inverter a posição dos concorrentes”.

O Ipespe, que entrevistou 1100 eleitores por telefone, coletou as informações entre os dias 22 e 24 de outubro. A resistência de Jefferson à prisão ocorreu no domingo 23.  “Isso [fim da recuperação de Bolsonaro] pode ter sido resultado do início da repercussão do episódio Roberto Jefferson com forte repercussão a partir do fim da noite do domingo”.

Leia a análise:

Antonio_Lavareda_Termômetro_da_Campanha

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo