Política

Grampos sugerem que milicianos recorreram a Bolsonaro após morte de Adriano da Nóbrega

Reportagem do site The Intercept Brasil mostrou relatório de investigação do MP que aponta referências ao presidente da República

O presidente da República, Jair Bolsonaro na rampa do Palácio do Planalto. Foto: Isac Nóbrega/PR
O presidente da República, Jair Bolsonaro na rampa do Palácio do Planalto. Foto: Isac Nóbrega/PR
Apoie Siga-nos no

Grampos telefônicos registraram contato de milicianos com uma pessoa identificada como “Jair”, “cara da Casa de Vidro” e “HNI (PRESIDENTE), segundo relatório da Subsecretaria de Inteligência da Secretaria de Polícia Civil do Rio de Janeiro. A partir das gravações, fontes do Ministério Público do Rio de Janeiro afirmam concluir que expressões se referem ao presidente Jair Bolsonaro. As informações foram divulgadas no sábado 24 pelo site The Intercept Brasil.

 

O nome “cara da casa de vidro”, uma suposta referência ao Palácio do Planalto, teria sido utilizado em ligação no dia 9 de fevereiro de 2020, durante a noite, entre dois investigados. O contato foi feito horas depois da morte de Adriano da Nóbrega, ex-policial do Bope que, segundo escutas reveladas em fevereiro, dizia-se “amigo do presidente”.

Quem usou a expressão foi Ronaldo Cesar, o Grande, identificado como elo entre negócios legais e ilegais de Adriano da Nóbrega, segundo a reportagem. Ele disse, a uma mulher não identificada, que telefonaria para o “cara da casa de vidro”. Além disso, demonstrou preocupação com Adriano da Nóbrega e que alertou que “iria acontecer algo ruim”.

“Grande diz que alertou a Adriano que iria acontecer alguma coisa ruim. Grande diz que Adriano era sinistro. Grande diz que vai ligar pro cara da casa de vidro, quer saber como vai ser o mês que vem e diz que a parte do cara tem que ir. Diz que não sabe que o outro lá vai continuar pagando”, descreve o relatório.

Em 13 de fevereiro de 2020, quatro dias depois da morte de Adriano da Nóbrega, Grande fala com um homem não identificado (HNI), descrito em maiúscula como “PRESIDENTE”.

“Grande fala sobre que está tendo problemas com a família devido às divisões dos bens. HNI se coloca à disposição de Grande caso venha a ter algum problema futuro”, diz o documento.

Na mesma data, o nome “Jair” aparece em conversas de outros colegas de Adriano da Nóbrega, como o pecuarista Leandro Abreu Guimarães e a esposa Ana Gabriela Nunes. O casal escondeu Adriano da Nóbrega numa fazenda da família nos arredores de Esplanada, na Bahia, em 31 de janeiro de 2020, após ele escapar do cerco policial.

A reportagem é baseada em escutas que o Ministério Público realizou enquanto investigava Adriano da Nóbrega, mas o processo foi paralisado, destaca o Intercept. O miliciano, suspeito de envolvimento com o “Escritório do Crime”, no Rio de Janeiro, estava foragido quando foi morto.

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.