Justiça

Após menção a Bolsonaro, MP suspende grampos do caso Adriano da Nóbrega

Adriano da Nóbrega dizia, segundo revelaram escutas, que ‘se fodia’ por ser ‘amigo do presidente da República’

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
Apoie Siga-nos no

Promotores do Ministério Público interceptaram menções ao presidente Jair Bolsonaro em investigações acerca do papel do ex-policial do Bope Adriano da Nóbrega nos negócios da milícia no Rio de Janeiro. Em seguida, determinaram o encerramento dos grampos em suspeitos.

O caso e parte dos diálogos foram revelados nesta quarta-feira 10 pelo site The Intercept Brasil. O MP não tem o poder de investigar o presidente da República – essa prerrogativa é da Procuradoria-Geral da República. Mas. ao contrário do esperado, os procuradores não encaminharam o caso à PGR.

Em relatórios da Subsecretaria de Inteligência da Secretaria de Polícia Civil do Rio de Janeiro obtidos pela reportagem, ao menos duas pessoas ligadas à Nóbrega mencionaram o presidente Jair Bolsonaro em diálogos sobre a situação do ex-PM.

Uma das pessoas foi a irmã de Adriano, Tatiana Magalhães da Nóbrega. Ela começou a ser monitorada no dia 6 de fevereiro de 2019, aponta a reportagem, dias depois do irmão ter a prisão decretada em razão da Operação Intocáveis, que denunciou policiais ligados à milícia em Rio das Pedras e Muzema, zona oeste carioca. No dia 9, Adriano foi morto em uma operação da PF na Bahia, onde estava escondido.

Tatiana afirma, em diálogo com uma mulher não identificada, que estava passando por dificuldades para dar prosseguimento ao enterro do irmão. Ela também menciona que ele “não era miliciano, era bicheiro” e que, naquele momento, estavam tentando ligá-lo ao presidente Jair Bolsonaro.

Sete dias após a conversa, o MP do Rio não recomendou que as escutas fossem renovadas.

Na interceptação de Luiz Carlos Felipe Martins, conhecido como “Orelha” e um dos braços direito de Adriano da Nóbrega, segundo o MP, o amigo mencionou que Nóbrega “dizia que se fodia por ser amigo do Presidente da República”. Novamente, as escutas não foram renovadas após a menção a Bolsonaro.

A reportagem afirma que o Ministério Público do Rio não encaminhou as informações recolhidas à Procuradoria-Geral da República, que tem a prerrogativa legal de investigar o presidente. O Palácio do Planalto não se posicionou ao Intercept.

As ligações de Adriano da Nóbrega com a família Bolsonaro já são conhecidas.

De acordo com investigações envolvendo Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), o ex-PM controlava contas bancárias que foram usadas para abastecer Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador, suposto operador do esquema no gabinete do filho do presidente Jair Bolsonaro. A prática é conhecida como “rachadinha”.

Adriano tinha a mãe e a ex-esposa locadas no gabinete de Flávio, e chegou a ser condecorado pelo “recruta 01” com uma Medalha Tiradentes, a maior honraria da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj).

Queiroz já admitiu que demitiu a ex-esposa de Adriano do gabinete de Flávio, em novembro de 2018, para evitar a ligação do filho do então presidente eleito com a milícia.

CartaCapital

CartaCapital Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.