Política

Brasil tem recorde de armas de CACs roubadas, furtadas ou extraviadas

Levantamento do jornal O Globo identifica 1.259 ocorrências entre janeiro e outubro

Proprietários de armas também poderão ser submetidos aos testes a qualquer tempo e sem aviso prévio. Imagem: Arquivo/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

Em dez meses de 2023, o Brasil superou o total de armas compradas legalmente por Colecionadores, Atiradores Desportivos e Caçadores (CACs) que acabaram roubadas, furtadas ou perdidas no ano passado.

Entre janeiro e outubro deste ano, o País registrou 1.259 ocorrências, uma média de 126 por mês ou quatro por dia. O levantamento foi realizado pelo jornal O Globo divulgado nesta terça-feira 21. 

Nos últimos anos, o Brasil passou por um aumento nos roubos de armamentos de colecionadores, em meio a uma política de flexibilização do acesso a esses equipamentos promovida pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). 

Na gestão do ex-capitão, houve um crescimento de 85% nesses roubos, em comparação com os cinco anos anteriores.

Somente no ano passado, o Brasil contabilizou 1.368 armas roubadas, furtadas ou extraviadas, uma média de 114 por mês.

Procurado pelo jornal, o Exército afirmou não ser responsável por investigações de furto ou roubo de armas de CACs, porque a fiscalização de produtos controlados cabe à “polícia administrativa”.

“O Exército Brasileiro tem atendido, em todas as oportunidades, as demandas de informações provenientes das Forças de Segurança Pública, sempre sem intenção de colaborar exaustivamente para o esgotamento das investigações”, diz a nota da Força.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo