Brasil ainda está longe de ver a luz no fim do túnel, dizem especialistas

Em debate promovido por CartaCapital, convidados listam os desafios sociais do País após a pandemia

Brasil ainda está longe de ver a luz no fim do túnel, dizem especialistas

Diálogos Capitais,Política

Mesmo com o avanço da vacinação contra a Covid-19, o Brasil ainda está longe de solucionar os problemas desencadeados na pandemia, segundo a avaliação dos especialistas que participaram da última edição do Webinar Saúde de CartaCapital, nesta terça-feira 31. Com o tema O que esperar do novo normal, a discussão envolveu a pneumologista Margareth Dalcolmo, o infectologista Esper Kallás e a diretora-geral da ACT – Promoção da Saúde, Paula Johns.

 

 

 

Margareth Dalcolmo chamou a atenção para a agudização da desigualdade social em virtude da crise sanitária e da falta de ação do governo de Jair Bolsonaro. A pneumologista diz ter observado queda nas doações de alimentos e no voluntariado qualificado para a assistência das populações mais pobres.

A especialista também percebeu um impacto negativo no atendimento do Sistema Único de Saúde a outras doenças, como o câncer e a tuberculose, o que tirou da normalidade o índice de diagnósticos e resultou em um retrocesso de cinco anos no controle dessas enfermidades.

Além disso, ela alertou para as consequências da Covid-19, já que o vírus deixa um rastro de sequelas. O SUS, portanto, precisará de uma reordenação para assegurar esses serviços.

“É um desafio que não pensamos em enfrentar por tanto tempo. E a gente não tem uma luz brilhante no fim do túnel. Eu não vejo nem o fim do túnel ainda, quanto mais a luz”, comentou a professora.

Para Paula Johns, as contradições da sociedade brasileira ficaram expostas a com a pandemia. Entre os problemas evidenciados está a fome, apesar de a produção de alimentos ser uma marca do mercado brasileiro.

Johns apontou ainda para os resultados de cortes contínuos de verbas públicas para serviços essenciais, promovidos pelo teto de gastos e por renúncias tributárias. Entre os fatores indicados está a demanda represada no atendimento a vítimas de doenças crônicas não-transmissíveis.

Outro item que veio à tona na crise da Covid-19, em sua visão, foi a facilitação da venda de produtos altamente nocivos à saúde por preços muito baixos, o que favorece o surgimento de comorbidades entre os consumidores.

“A gente precisa mudar a regra do jogo”, afirmou. “Não é que faltam recursos no mundo. Precisamos reorganizar o sistema, porque não é aceitável que a gente perpetue o acirramento dessas desigualdades, que estão no cerne dos problemas que precisamos enfrentar.”

Esper Kallás disse que não tem esperanças a curto prazo para o restabelecimento de um diálogo nacional mais fluído, em detrimento da polarização presente no debate público.

Por outro lado, o infectologista afirmou que um ponto positivo foi a construção de uma aceitação às vacinas no Brasil, enquanto em outros países a população é mais resistente à imunização. Esse consenso vem sendo costurado desde a década de 1940, frisou o especialista, e foi consolidado com o trabalho do SUS.

“Isso é o oposto. Mostra para nós que há um caminho”, opinou Kallás.

Este debate marcou a última edição do Webinar Saúde de CartaCapital, realizado ao longo de agosto. Todas as discussões estão disponíveis no YouTube, com acesso gratuito.

Assista:

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem