Política

Boulos pede a inelegibilidade de Nunes por suposta ‘pedalada na educação’

Segundo o pré-candidato do PSOL, o PT apresentará ao STF uma arguição de descumprimento de preceito fundamental

Guilherme Boulos e Ricardo Nunes. Fotos: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados e Rovena Rosa/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O deputado federal Guilherme Boulos (PSOL), pré-candidato à prefeitura de São Paulo, defendeu nesta quinta-feira 9 a inelegibilidade do prefeito e postulante à reeleição, Ricardo Nunes (MDB), por suposta irregularidade em gastos na educação.

Segundo o parlamentar, o PT apresentará nesta sexta ao Supremo Tribunal Federal uma arguição de descumprimento de preceito fundamental. A vice na chapa de Boulos será a ex-prefeita Marta Suplicy, que retornou ao PT em fevereiro.

Boulos afirma que em 2023 a gestão Nunes destinou 22,4% da receita à educação, abaixo do mínimo obrigatório, de 25%. Pelas contas do deputado, o montante investido ficou 1,7 bilhão de reais aquém do piso.

“Procuraremos todos os órgãos de controle para que esse crime de responsabilidade seja julgado e que a pena de inelegibilidade também seja aplicada”, disse o pré-candidato do PSOL em uma transmissão ao vivo na internet nesta quinta. Ele declarou que também acionará o Tribunal de Contas do Município e o Ministério Público do estado e se referiu ao caso como “uma pedalada da educação”.

Em fevereiro deste ano, o TCM aprovou os gastos da prefeitura de São Paulo com a educação em 2021. A oposição questionava o cumprimento da meta, sob o entendimento de que uma quantia de 1,5 bilhão de reais, empenhada nos últimos dias do ano, foi incluída no cálculo como “restos a pagar não processados”, a fim de atingir os 25%.

Em nota, a prefeitura afirmou cumprir integralmente as exigências legais sobre a aplicação de recursos na educação. “Mais uma vez, uma pauta que já havia sido superada foi retomada numa tentativa de manobra política eleitoreira de forma a induzir a população a erro”, diz a gestão municipal.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo