Política

‘Não teremos esse movimento no momento’, diz Tarcísio sobre entrada no PL; Republicanos vê pressão de Valdemar

O presidente do PL projetou a filiação até julho. Por outro lado, Marcos Pereira, comandante do Republicanos, diz não ter sido comunicado

O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas. Foto: Marcelo S. Camargo/Governo do Estado de SP
Apoie Siga-nos no

O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), afirmou não haver, neste momento, uma decisão sobre se filiar ao PL de Jair Bolsonaro.

No domingo 19, o jornal O Estado de S.Paulo noticiou que Tarcísio disse ao presidente do PL, Valdemar Costa Neto, que mudaria de partido. Horas depois, ao jornal O Globo, o dirigente acrescentou que a filiação ocorreria até julho e que sua legenda “fará uma festa para recebê-lo”.

“Não teremos esse movimento no momento”, declarou Tarcísio à CNN Brasil, ao ser questionado sobre uma possível data.

O presidente do Republicanos, o deputado federal Marcos Pereira (SP), afirmou a CartaCapital não ter sido comunicado sobre a saída de Tarcísio.

Integrantes do partido veem o caso como um instrumento de pressão de Valdemar sobre o governador, a partir da repercussão que o tema ganhou na imprensa. Em outras ocasiões em que o assunto veio à tona, Tarcísio também não confirmou a troca de legenda.

Pereira está entre os principais cotados para a sucessão de Arthur Lira (PP-AL) na presidência da Câmara, em eleição marcada para o início de 2025. Contar com o apoio do PL, dono da maior bancada (com 94 representantes), impulsionaria suas chances de vitória.

Até aqui, o preferido de Lira para o pleito é o aliado Elmar Nascimento (BA), líder do União Brasil. Também aparecem na relação de potenciais candidatos Antonio Brito (PSD-BA) e Isnaldo Bulhões (MDB-AL).

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo