Política

Bolsonaro guardou joias e outros presentes na fazenda de Nelson Piquet, diz jornal

Segundo informações do ‘Estadão’, dezenas de caixas com pertences foram mantidas na propriedade

Reprodução Twitter
Apoie Siga-nos no

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) teria guardado joias e outros itens recebidos de presidente durante seu mandato em uma fazenda pertencente ao ex-piloto de Fórmula 1, Nelson Piquet.

Segundo informações do Estadão, dezenas de caixas com pertences foram mantidas na propriedade, que fica localizada no Lago Sul, em Brasília.

Os itens foram despachados das garagens privativas do Palácio do Planalto e também do Palácio da Alvorada, a residência oficial dos presidentes da República.

O primeiro traslado de presentes teria ocorrido no dia 20 de dezembro do ano passado, durante parte da mudança do presidente derrotado dos palácios.

No dia seguinte, um avião da Força Aérea Brasileira foi destinado à Guarulhos para tentar resgatar uma caixa contendo joias que foram dadas de presente pelo regime da Arábia Saudita.

Ainda conforme a apuração, Bolsonaro teria escolhido ficar com os itens mais valiosos do acervo presidencial, que foram encaminhados à fazenda de Piquet.

O ex-piloto foi um dos principais apoiadores do ex-presidente durante a disputa a reeleição, tendo participado de manifestações bolsonaristas após a derrota do ex-capitão.

Piquet ainda fez uma doação no valor de 501 mil reais para a campanha bolsonarista, conforme registro no Tribunal Superior Eleitoral.

Em agosto de 2022, uma empresa de propriedade do ex-piloto, a Autotrac Comércio e Comunicações, recebeu cerca de 6,6 milhões de reais, correspondente a um contrato assinado com o Ministério da Agricultura, ainda em 2019, sem licitação.

O contrato foi firmado com a empresa de Piquet, que na época devia 6,3 mil reais em impostos.

Nesta terça-feira, o jornal revelou que Bolsonaro teria se apropriado de uma terceira coleção de joias dadas como presente do governo da Arábia Saudita, avaliada em mais de 500 mil reais.

Há informações de que, como ocorreu com a segunda caixa de joias levada a Bolsonaro, esta possa estar entre os bens guardados na Fazenda Piquet.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo