Política

Bolsonaro retira indicação de Crivella para embaixada da África do Sul

Bispo da Universal e ex-prefeito do Rio de Janeiro não foi aprovado pelo governo africano para ocupar o cargo

Créditos: EBC Créditos: EBC
Créditos: EBC Créditos: EBC

O presidente Jair Bolsonaro retirou oficialmente a indicação de Marcelo Crivella, bispo da Igreja Universal e ex-prefeito do Rio de Janeiro, para ocupar o cargo de embaixador da África do Sul. A informação é do jornal Folha de S. Paulo desta segunda-feira 29.

A indicação de Crivella aguardava a aprovação do governo sul africano há mais de seis meses, mas foi completamente ignorada pelo governo local.

A indicação do bispo ao cargo era mais uma tentativa do governo federal de resolver os problemas que a igreja de Edir Macedo enfrenta no continente. Em outra ação em favor do religioso, Bolsonaro enviou o vice-presidente Hamilton Mourão à Angola para interceder pela igreja. A ida do general custou 1 milhão de reais aos cofres públicos.

A tentativa de Bolsonaro era dar mais espaço ao grupo de Edir Macedo no continente para que ele pudesse ter trânsito garantido para resolver os problemas que sua igreja enfrenta na região. Em Angola, a Universal e a TV Record foram expulsas do país com o aval da Justiça depois de denúncias de racismo, perseguição, evasão de divisas e lavagem de dinheiro.

Em outra cartada por Crivella, Bolsonaro teria ligado para o presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, para pedir a aprovação do religioso. A tentativa, no entanto, não surtiu efeitos.

O governo Bolsonaro ainda não indicou um substituto para Crivella, apenas informou, via Itamaraty, que desistiu do bispo. O atual embaixador da África do Sul, Sérgio Danese, foi indicado para comandar a missão diplomática no Peru.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!