Política

Bolsonaro propõe CPI contra dirigentes da Petrobras após novo aumento no preço dos combustíveis

Presidente da República afirmou que já existe uma articulação na Câmara dos Deputados para a abertura das investigações

O presidente Jair Bolsonaro (PL), em entrevista a uma rádio de Natal (RN). Foto: Reprodução
O presidente Jair Bolsonaro (PL), em entrevista a uma rádio de Natal (RN). Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O presidente Jair Bolsonaro (PL) sugeriu a instauração de uma Comissão Parlamentar de Inquérito contra os dirigentes da Petrobras por conta do aumento do preço dos combustíveis.

A declaração ocorreu na mesma data em que a estatal anunciou um novo aumento no preço dos combustíveis. O preço médio da gasolina subirá de 3,86 reais para 4,06 reais, enquanto o diesel saltará de 4,91 reais para 5,61 reais.

Em entrevista à rádio 96 FM Natal, nesta sexta-feira 17, o chefe do Planalto relatou ter conversado com o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), sobre a abertura de investigações sobre o presidente da Petrobras, José Mauro Ferreira Coelho, e os demais membros da gerência da petrolífera.

“Eu conversei agora há pouco com o Arthur Lira, ele está neste momento se reunindo com líderes partidários, e a ideia nossa é propor uma CPI para investigarmos o presidente da Petrobras, os seus diretores e também o conselho administrativo e fiscal”, declarou.

Bolsonaro acusou os dirigentes da empresa de se preocuparem “apenas com o lucro” e de ignorarem a função social.

“Nós queremos saber se tem algo errado nessa conduta deles, porque é inconcebível se conceder um reajuste com o combustível lá em cima e com os lucros exorbitantes que a Petrobras está tendo”, afirmou o ex-capitão.

Aliado de Bolsonaro no Supremo Tribunal Federal, o ministro André Mendonça cobrou formalmente da Petrobras explicações sobre os critérios para o reajuste no preço dos combustíveis nos últimos 60 meses.

O magistrado também solicitou informações sobre a política de preços da empresa, que alinha os valores com as oscilações do mercado internacional. O prazo para a empresa se pronunciar ao STF é de cinco dias.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), principal adversário eleitoral de Bolsonaro, tem criticado a postura do governo em não extinguir a equiparação dos preços ao exterior, política adotada na gestão de Michel Temer (MDB). O petista promete mudar essas regras.

Bolsonaro, porém, argumenta que o governo não pode intervir na Petrobras, preferindo somente mudar o presidente da empresa – o atual está no cargo desde abril. Em maio, o Ministério de Minas e Energia também ganhou um novo chefe: saiu Bento Albuquerque, e entrou Adolfo Sachsida.

Com os novos aumentos, Arthur Lira defendeu a renúncia do novo presidente da Petrobras.

“Saia!!! Pois sua gestão é um ato de terrorismo corporativo”, escreveu o presidente da Câmara no Twitter.

https://twitter.com/ArthurLira_/status/1537797433819906049

Victor Ohana

Victor Ohana
Repórter do site de CartaCapital

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.