Bolsonaro nega objetivo eleitoreiro com aumento de ajudas sociais

'Não estamos lutando por eleições em 2022. Não se toca nesse assunto', disse o presidente

Foto: Reprodução/Redes Sociais

Foto: Reprodução/Redes Sociais

Política

O presidente Jair Bolsonaro defendeu neste domingo 24 a iniciativa de aumentar as ajudas sociais e assegurou que a medida não tem como objetivo as eleições de 2022, nas quais tentará a reeleição, como afirmam opositores e analistas.

“Lamentamos a situação em que se encontra o pobre no Brasil, passando dificuldade. Não estamos lutando por eleições em 2022. Não se toca nesse assunto”, disse Bolsonaro ao lado do ministro da Economia, Paulo Guedes, em uma feira em Brasília.

A popularidade do presidente está em seu ponto mais baixo desde que assumiu o poder, em 2019, em um contexto econômico desfavorável. A inflação alcançou 10,25% em doze meses até setembro e o desemprego se situa em 13,7%.

O presidente “é um político popular (…) não é um populista”, disse Guedes, questionado por ceder à ideia de Bolsonaro, considerada por alguns como de viés eleitoreiro.

Em meio à multiplicação de imagens de pessoas procurando comida no lixo, o presidente lançou na semana passada a iniciativa de elevar a 400 reais até o fim de 2022 o montante do programa de ajudas sociais Auxílio Brasil, sucessor do popular Bolsa Família.

A média atual deste programa é de 192 reais por mês.

Mas o gasto que implica a extensão dos benefícios para 17 milhões de brasileiros supera o limite previsto pela lei de responsabilidade fiscal, inquietando o mercado e causando quatro baixas no ministério da Economia na semana passada.

O governo pretende contornar este teto com uma manobra baseada em reformas que já estão nas mãos do Congresso.

Depois de ratificar, na sexta-feira, sua confiança em Guedes, que desmentiu boatos de afastamento, Bolsonaro voltou a apoiá-lo neste domingo: “A gente vai sair junto”, assegurou.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem