Justiça

Bolsonaro mantém ofensiva contra Moraes e insiste em investigação por ‘abuso de autoridade’

Em recurso, o ex-capitão solicita que Dias Toffoli reconsidere a primeira decisão e envie a notícia-crime à PGR

JAIR BOLSONARO E ALEXANDRE DE MORAES. FOTOS: EVARISTO SÁ/AFP E ANDRESSA ANHOLETE/AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente Jair Bolsonaro protocolou um recurso contra a decisão do ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal, que rejeitou uma ação apresentada contra o ministro Alexandre de Moraes por suposto abuso de autoridade.

No documento encaminhado a Toffoli, a defesa do ex-capitão, representada pelo advogado Eduardo Magalhães, pede que o ministro reconsidere a decisão e envie a notícia-crime contra Moraes à Procuradoria-Geral da República.

Solicita ainda que, caso Toffoli não mude de opinião, ao menos leve o recurso à análise do plenário do STF – que poderia, então, direcionar o caso à PGR.

A alegação de Bolsonaro é que Moraes teria praticado abuso de autoridade no âmbito do Inquérito das Fake News. Ao rejeitar a demanda do presidente, Toffoli afirmou não haver crime nas práticas do magistrado.

“Os fatos descritos na ‘notícia-crime’ não trazem indícios, ainda que mínimos, de materialidade delitiva, não havendo nenhuma possibilidade de enquadrar as condutas imputadas em qualquer das figuras típicas apontadas”, escreveu Toffoli. “Considerando-se que os fatos narrados na inicial evidentemente não constituem crime e que não há justa causa para o prosseguimento do feito, nego seguimento.”

Logo depois de perder o primeiro round no STF, Bolsonaro decidiu acionar a PGR por conta própria, defendendo a abertura de uma investigação contra Moraes.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo