Política

Bolsonaro é o presidente que menos aprova projetos no Congresso, diz estudo

Em 2021, o ex-capitão só conseguiu aprovar 29% dos projetos que enviou ao Legislativo, o pior desempenho desde a redemocratização

Foto: EVARISTO SA / AFP
Foto: EVARISTO SA / AFP

O presidente Jair Bolsonaro (PL) é o chefe do Poder Executivo que menos aprovou projetos no Congresso Nacional desde a redemocratização do Brasil. Os dados, que são do Observatório do Legislativo Brasileiro, do Instituto de Estudos Sociais e Políticos, foram divulgados pelo UOL nesta segunda-feira 6.

Em 2021, Bolsonaro conseguiu aprovar apenas 29,1% dos textos que enviou ao Legislativo, registrando assim o pior desempenho de um presidente da República.

O feito piora o desempenho obtido por ele mesmo em 2019, quando aprovou só 30% dos projetos que enviou aos parlamentares.

Em 2020, o ex-capitão teve uma ‘leve melhora’, conseguindo fazer passar 42,9% das iniciativas que enviou à Câmara dos Deputados e ao Senado Federal.

O governo federal não quis se posicionar sobre o desempenho de Bolsonaro na Câmara. Já o líder do governo no Senado, Eduardo Gomes (MDB-TO), disse que, apesar dos números baixos, o governo é ‘vitorioso’.

“O governo que propõe mais tende a ter uma produção proporcional menor. Mas em compensação trouxe para a produção legislativa matérias que não tramitariam antes, como a reforma da Previdência, a lei do gás, o marco legal das ferrovias, cessão onerosa [de campos de petróleo no pré-sal]”, declarou ao UOL. “Apesar da crise política, da eleição ter sido dividida e da pandemia, o governo é absolutamente vitorioso”, acrescentou o parlamentar.

Algumas das matérias citadas por Gomes, como a PEC da Previdência, são alvo das denúncias do esquema montado para comprar votos em favor do governo usando o orçamento secreto. Na reforma da Previdência, por exemplo, os deputados teriam recebido 20 milhões de reais em emendas para votar no texto. O valor por voto foi revelado pelo Delegado Waldir (PSL-GO) em entrevista ao Intercept Brasil.

Mesmo com a distribuição de mais de 16 bilhões de reais aos parlamentares em 2021, Bolsonaro não tem obtido sucesso nas suas relações com o Congresso. A ida do presidente ao PL de Valdemar Costa Neto é uma tentativa de melhorar a articulação política com o Legislativo.

A recriação de alguns ministérios, como o das Comunicações e do Trabalho, que foram dados a membros do Parlamento, também revelam outra tentativa de ampliar o apoio entre os parlamentares, assim como a entrega da Casa Civil, principal cadeira do governo, a Ciro Nogueira (PP), um dos líderes do Centrão.

O próprio Bolsonaro justificou as escolhas em nome da ‘governabilidade’.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!