Política

Biden conversa com Lula e elogia força das instituições democráticas brasileiras

Segundo uma nota da Casa Branca, os dois também trataram do ‘forte relacionamento’ entre os EUA e o Brasil

Líderes discutiram uma iniciativa conjunta para garantir empregos de qualidade na economia do século XXI. Fotos: Ricardo Stuckert e AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, conversou com o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na tarde desta segunda-feira 31, por teleconferência, e manifestou felicitações pela vitória.

Em nota, a Casa Branca informou que Biden elogiou a “força das instituições democráticas brasileiras após eleições livres, justas e confiáveis”. Segundo o texto, os dois líderes também conversaram sobre o “forte relacionamento” entre os Estados Unidos e o Brasil.

Washington informou que ambos “se comprometeram a continuar trabalhando como parceiros para enfrentar desafios comuns, incluindo o combate às mudanças climáticas, salvaguardando a segurança alimentar, promovendo a inclusão e a democracia e administrando a migração regional”.

Biden havia tentado conversar com Lula por telefone logo na noite de domingo 30, mas a conexão caiu e o diálogo foi remarcado para esta segunda.

Em sua rede social, Lula também notificou a conversa.

O presidente dos Estados Unidos havia sido pressionado por congressistas do país para que reconhecesse imediatamente o resultado da eleição brasileira.

Em uma carta divulgada na semana passada, 30 parlamentares demonstraram temor de que o presidente Jair Bolsonaro (PL) questionasse o sistema eleitoral brasileiro em caso de derrota.

Em setembro, senadores já tinham aprovado uma moção para que Biden reconhecesse o vencedor brasileiro depressa. O texto, aprovado por consenso, teve como um de seus articuladores o senador Bernie Sanders.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo