Política

Bancada evangélica define Eli Borges como novo líder em 2023

Deputado comandará o grupo por 6 meses, depois, deve passar o controle para Silas Câmara, cumprindo um acordo de revezamento entre eles

Eli Borges, novo líder da bancada evangélica. Foto: Agência Câmara
Apoie Siga-nos no

A Frente Parlamentar Evangélica definiu, nesta quarta-feira 8, o novo líder do grupo. Trata-se do deputado Eli Borges (PL-TO), que comandará o grupo conhecido como bancada evangélica pelos próximos 6 meses. Depois, o controle dos parlamentares cristãos será feito por Silas Câmara (Republicanos-AM), também por 6 meses. No próximo ano, o revezamento se repete.

O anúncio da decisão, conforme registrou o site Poder360, foi feito por Cezinha de Madureira (PSD-SP) na reunião da bancada nesta manhã. No evento, o primeiro culto entre os deputados foi realizado.

Madureira, que já liderou a bancada evangélica em 2021, é apontado como o articulador do acordo. Quando comandou a Frente Parlamentar, o revezamento de poder também foi a saída adotada. Naquela ocasião, cada candidato ao cargo comandou o grupo por 1 ano, seu sucessor foi Sóstenes Cavalcante (PL-RJ).

A definição da liderança da bancada anunciada nesta quarta-feira ocorre após anulação da eleição da última semana no grupo. Naquela ocasião, quando Borges e Câmara disputaram votos, foram encontradas inconsistências no número de parlamentares aptos a votar.

Eli Borges é um contador ligado a ruralistas e pastor no Tocantins. Ele está no seu segundo mandato como deputado e já foi filiado ao Solidariedade. Borges já foi quatro vezes deputado estadual e concorreu ao cargo de prefeito de Palmas em 2020, mas amargou o terceiro lugar naquela disputa. Ele faz parte da igreja Assembleia de Deus.

Para chegar ao posto de líder, ele superou o favoritismo de Câmara, que contava com o apoio de boa parte dos integrantes da bancada. Veterano no grupo, Câmara já havia comandado a bancada em outra ocasião.

Estima-se que a bancada desta legislatura contará com 132 deputados (26% da Câmara) e 14 senadores (17%). A atual frente juntou 187 deputados e 30 senadores signatários. Nem todos são evangélicos de direita, como demonstra a presença da deputada Benedita da Silva (PT-RJ).

No novo Congresso, constam na composição da Frente o bolsonarista Nikolas Ferreira (PL-MG) e os deputados Clarissa Tércio (PP-PE), Sílvia Waiãpi (PL-AP) e André Fernandes (PL-CE) — investigados por incentivar a invasão aos Três Poderes.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo