Augusto Aras pede que STF investigue atos a favor do AI-5

O presidente Jair Bolsonaro foi um dos participantes das manifestações que defenderam intervenção militar

O procurador-geral da República, Augusto Aras. Foto: Isac Nóbrega/PR

O procurador-geral da República, Augusto Aras. Foto: Isac Nóbrega/PR

Política

O procurador-geral da República, Augusto Aras, solicitou ao Supremo Tribunal Federal (STF) a abertura de um inquérito para apurar a organização de atos contra a democracia participativa brasileira, realizados no domingo 19.

Segundo a Procuradoria, a participação de deputados federais na organização desses protestos justifica a investigação pelo STF. O inquérito apura possível violação da Lei de Segurança Nacional, já que os manifestantes pautaram a reedição do Ato Institucional nº 5 (AI-5), pelo fechamento de instituições democráticas como o Congresso Nacional e o STF.

A Lei de Segurança Nacional (Lei 7.170/1983) define os crimes contra a segurança nacional e a ordem política e social. O dispositivo prevê os crimes que lesam, ou expõem a perigo de lesão, o regime representativo e democrático, a Federação e o Estado de Direito.

 

Em nota, Aras considera que os ataques às instituições democráticas também podem ferir a Constituição Federal.

“O Estado brasileiro admite única ideologia, que é a do regime da democracia participativa. Qualquer atentado à democracia afronta a Constituição e a Lei de Segurança Nacional”, afirmou o procurador.

Procurada, a assessoria da PGR informou que o caso está sob sigilo e não há mais informações disponíveis sobre o teor do documento apresentado ao STF.

O próprio presidente Jair Bolsonaro participou de um ato em Brasília que pedia intervenção militar e o fechamento do Congresso e do STF. No entanto, o chefe do Palácio do Planalto não é citado na representação de Augusto Aras. Em discurso aos manifestantes, Bolsonaro afirmou que não quer “negociar nada”.

“Não queremos negociar nada, nós queremos é ação pelo Brasil. O que tinha de velho ficou pra trás, nós temos um novo Brasil pela frente. Todos, sem exceção no Brasil, têm que ser patriotas e acreditar e fazer a sua parte para que nós possamos colocar o Brasil no lugar de destaque que ele merece. Acabou a época da patifaria. É agora o povo no poder”, disse o presidente, na ocasião.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem