Após dizer que não dá bola, Bolsonaro afirma que tem ‘pressa’ por vacinação

Presidente alegou que 'seria acusado de interferência e de irresponsabilidade' se exercesse pressão para a imunização da população

O presidente da República, Jair Bolsonaro. Foto: Alan Santos/PR

O presidente da República, Jair Bolsonaro. Foto: Alan Santos/PR

Política

Um dia depois de dizer que não dá “bola” para a vacinação em outros países, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que tem “pressa” em obter uma vacina contra a Covid-19. Em texto publicado nas redes sociais, neste domingo 27, o chefe do Palácio do Planalto escreveu que, “caso exercesse pressão” pelo imunizante, “seria acusado de interferência e de irresponsabilidade”.

 

 

“Temos pressa em obter uma vacina, segura, eficaz e com qualidade, fabricada por laboratórios devidamente certificados. Mas a questão da responsabilidade por reações adversas de suas vacinas é um tema de grande impacto, e que precisa ser muito bem esclarecido”, disse o presidente, levantando suspeitas, mais uma vez, sobre efeitos colaterais do imunizante.

Bolsonaro acrescentou que “tão logo um laboratório apresente seu pedido de uso emergencial, ou registro junto à Anvisa, e esta proceda a sua análise completa e o acolha, a vacina será ofertada a todos e de forma gratuita e não obrigatória”. Ele declarou que nenhum laboratório apresentou pedido de uso emergencial ou de registro.

O governo federal ainda não tem cronograma oficial para a vacinação. Segundo o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, alguns grupos prioritários começam a receber a primeira dose da vacina contra a Covid-19 no final de janeiro. A vacinação em massa deve começar a partir de fevereiro.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem