Bolsonaro sobre vacina: se você tomar e virar um jacaré, é problema seu

Presidente questionou a gravidade da pandemia que já deixou quase 185 mil mortos no Brasil

Foto: Sergio Lima / AFP

Foto: Sergio Lima / AFP

Política

O presidente Jair Bolsonaro questionou os possíveis efeitos colaterais das vacinas contra o coronavírus, tomando como exemplo a da Pfizer/BioNtec, e afirmou que não há garantia de que ela não transformará quem a tomar em “um jacaré”.

 

 

 

“Lá no contrato da Pfizer, está bem claro nós (a Pfizer) não nos responsabilizamos por qualquer efeito colateral. Se você virar um jacaré, é problema seu”, disse Bolsonaro, que questionou em várias ocasiões as vacinas e a gravidade da pandemia que já deixou quase 185 mil mortos no Brasil.

“Se você virar Super-Homem, se nascer barba em alguma mulher aí, ou algum homem começar a falar fino, eles (Pfizer) não têm nada a ver isso. E, o que é pior, mexer no sistema imunológico das pessoas”, continuou Bolsonaro em evento realizado nesta quinta-feira na Bahia.

O imunizante do laboratório americano Pfizer e do alemão BioNTech foi testado durante sua terceira fase no Brasil. Vários países – como Reino Unido, Estados Unidos e México – iniciaram suas campanhas de vacinação com essa vacina, ou sinalizaram positivamente para ela.

O presidente brasileiro manifesta, no entanto, dúvidas sobre sua eficácia. “Se a vacina for comprovadamente eficaz lá na frente, a gente não sabe ainda”, disse.

“Eu não vou tomar”, reiterou na quinta-feira o presidente, que testou positivo para o vírus na metade deste ano, após uma campanha incessante contra o distanciamento social e contra as medidas de prevenção.

“Alguns falam que estou dando péssimo exemplo. O imbecil, o idiota, que está dizendo. Eu já tive o vírus, já tenho anticorpos. Para quê tomar a vacina de novo?”, continuou.

O Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou governadores e prefeitos nesta quinta-feira a estabelecerem, de forma obrigatória, a vacinação contra o coronavírus.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem