Política

Aliado de Bolsonaro, Zema diz que coloca diferenças ‘de lado’ em reunião com Lula

Governador participou nesta quarta de uma reunião com o presidente e com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad

O governador Romeu Zema. Foto: Divulgação/Novo
Apoie Siga-nos no

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), afirmou nesta quarta-feira 6 que ele e o presidente Lula (PT), apesar de divergirem politicamente, são “democratas” e as diferenças “ficam de lado” quando trabalham juntos.

“O presidente, tanto quanto eu, somos democratas. Acreditamos na democracia e, divergência de opinião, nós temos até com o cônjuge, o que dizer então com os demais”, afirmou Zema.

Apoiador do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), Zema marcou presença na manifestação em apoio ao ex mandatário Avenida Paulista no último dia 25 de fevereiro.

O governador participou nesta quarta de uma reunião com o presidente e com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, para tratar da dívida do estado com a União e o ressarcimento às vítimas da tragédia de Mariana.

“Nós estamos aqui em prol do Brasil, em prol de encontramos soluções para Minas Gerais, para melhorar o Brasil. Essas diferenças enquanto estamos trabalhando ficam de lado”, completou.

Novo modelo de recuperação fiscal

Segundo Zema, o governo federal vai apresentar até o final de março um novo modelo para o regime de recuperação fiscal dos estados.

O governador afirmou que disse a Lula e ao ministro da Fazenda que no regime atual os estados aderem à recuperação fiscal e conseguem pagar no início do plano, mas depois de certo tempo começam a enfrentar dificuldades.

Essa é uma das pautas prioritárias de Zema, já que o estado de Minas Gerais tem uma dívida de aproximadamente 160 bilhões de reais com a União.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo