Política

assine e leia

A Semana: Governo/ Um bode para imolar

Dias após a Petrobras aumentar novamente o preço do diesel, Bolsonaro rifa o ministro de Minas e Energia, mas o real motivo da troca é outro

Sai o almirante, entra o discípulo de Paulo Guedes - Imagem: Marcelo Camargo/ABR
Sai o almirante, entra o discípulo de Paulo Guedes - Imagem: Marcelo Camargo/ABR
Apoie Siga-nos no

Bolsonaro e sua equipe econômica tomaram a decisão política de liberar o reajuste do preço dos combustíveis conforme a variação da cotação internacional do petróleo e de seus derivados. Como é de conhecimento até do mundo mineral, a União é acionista majoritária da Petrobras. Se desejasse, o governo federal poderia perfeitamente aprovar uma regra específica para o mercado doméstico no Conselho de Administração da empresa de economia mista, visando proteger os consumidores brasileiros das variações mais abruptas do mercado. Em vez disso, priorizou a obtenção de lucros, para irrigar os cofres do próprio governo e para satisfazer os acionistas minoritários.

Talvez acometido por uma súbita perda de memória, Jair Bolsonaro agora considera os lucros da Petrobras exorbitantes. Ou, em ­suas próprias palavras, “um estupro” contra a população brasileira. E anunciou, na quarta-feira 11, a troca de comando no Ministério das Minas e Energia. Dois dias após a companhia reajustar em 8,87% o preço do diesel nas refinarias, o ex-capitão decidiu rifar o almirante Bento Albuquerque e nomear como ministro Adolfo Sachsida, secretário de Política Econômica. Seguindo a tradição judaica, sacrificou um bode e elegeu outro para expiar a culpa de suas próprias escolhas. Ou o presidente acredita que o discípulo de Paulo Guedes vai interferir na política de preços da petroleira, à revelia do deus mercado?

CartaCapital

CartaCapital Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.