Política

A resposta do líder do governo sobre ceder novos cargos ao União Brasil

Segundo Randolfe Rodrigues, não há possibilidades de que o partido do Centrão ocupe novas cadeiras no governo: ‘Eles já têm muito nas mãos’

O líder do governo no Congresso, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) Foto: Geraldo Magela/Agência Senado
Apoie Siga-nos no

O líder do governo no Congresso Nacional, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), descartou conceder novos cargos ao União Brasil. A afirmação foi feita nesta quarta-feira 15 em entrevista ao jornal O Globo.

Segundo defendeu Randolfe, o partido do Centrão já conquistou espaço demais no governo e, por isso, não deve receber novos cargos. A declaração é uma resposta direta a Luciano Bivar, presidente do União, que pleiteou publicamente cadeiras em estatais e outros órgãos do segundo escalão do governo para que o partido apoie Lula no Congresso.

Para Randolfe, porém, com os três ministérios já entregues ao União, o partido precisa dar, pelo menos, 80% dos votos favoráveis ao governo na Câmara e no Senado. A pouca adesão à base de Lula tem incomodado aliados do presidente, que reclamam publicamente da ‘pouca entrega’ feita pela legenda desde a entrada no primeiro escalão do governo. Gleisi Hoffmann, presidenta do PT, chegou a pedir, inclusive, uma readequação dos ministérios se a situação seguisse desta forma.

“No primeiro flerte, o governo já chamou o União para o casamento. Assim como do PSD e do MDB, esperamos ter entre 80 e 90% dos votos do União. Eles já têm muito nas mãos”, afirmou Randolfe ao jornal nesta quarta-feira.

Um dia antes, Bivar disse ao Globo que, além dos ministérios das Comunicações, da Integração e do Turismo, pretende comandar a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), a Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) e o Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Denocs). Em troca, garantiria que mais da metade da bancada votasse com o governo.

Apesar de rechaçar entregar mais cargos ao União Brasil, o líder do governo disse que Lula estaria disposto a ceder espaços para o PP e Avante caso estes formassem uma fusão com a legenda de Bivar. Há em curso negociações para que os três partidos se juntem em uma federação. A intenção é atrair parte dos partidos que antes estavam alinhados com Jair Bolsonaro para a base do novo governo.

“Eles precisam resolver a fusão com o PP e Avante. O compromisso é que seguirão no governo, mas teremos que ver esta nova realidade, avaliar como fica o quadro diante desta bancada. Antes da fusão ocorrer é impossível travarmos qualquer conversa. A relação deve ser sempre de mão dupla”, disse Randolfe.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.