Política

assine e leia

Órfã de Trump, Bannon e Olavo, a extrema-direita latina cria um fórum para chamar de seu

Bogotá, na Colômbia, foi a cidade escolhida como sede do primeiro ‘Encontro Regional pela Democracia e as Liberdades’

Tempero latino. O Foro é uma iniciativa do partido espanhol Vox, mas a maioria dos líderes é da América Latina - Imagem: Foro Madrid/Bogotá 2022
Apoie Siga-nos no

Faz mais de um ano que Donald Trump deixou a Casa Branca. Principal “ideólogo” do ­ex-presidente, o estrategista político Steve Bannon está sob a vigilância do FBI desde novembro. O maior elo brasileiro com o grupo, o astrólogo Olavo de Carvalho, morreu há 45 dias. Reunida sob a bandeira do bolsonarismo na expectativa da aliança com o trumpismo e da formação de uma grande rede conservadora internacional, a extrema-direita nativa ficou órfã, certo? ­Errado. Criado por iniciativa do ultradireitista partido espanhol Vox, o Foro de Madri pretende manter unida a tropa reacionária que, no caso específico da América do Sul, vem alternando momentos de ansiedade e depressão, com a volta da esquerda ao comando de países como Argentina, Bolívia e Chile e a forte possibilidade de – toc-toc-toc – isso acontecer novamente este ano no Brasil e na Colômbia.

Não à toa, Bogotá foi a cidade escolhida como sede do primeiro “Encontro Regional pela Democracia e as Liberdades”, que durante três dias reuniu, em um luxuoso hotel da capital colombiana, alguns dos expoentes da direita latino-americana para, nas palavras de um dos articuladores do Foro, o espanhol Jorge Frías, “organizar a resistência” contra o avanço da esquerda no continente. Anfitrião e tratado como a maior estrela do evento, o ex-presidente Álvaro Uribe alertou os participantes quanto ao perigo iminente de vitória do ex-guerrilheiro Gustavo Petro, líder em todas as pesquisas, nas eleições colombianas que acontecerão em maio: “A Colômbia é um símbolo e uma fortaleza (para a direita). Não podemos repetir aqui o que aconteceu em outros países”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo