CartaExpressa

46 dias após a eleição, Carlos reclama do esquecimento de Bolsonaro

A mensagem menciona supostos ‘sacrifícios’ do ex-capitão e critica ‘gente imediatista’

O vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ). Foto: Sergio Lima/AFP
Apoie Siga-nos no

O vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro (Republicanos) usou as redes sociais, nesta quinta-feira 15, para lamentar o que considera um “esquecimento” do presidente Jair Bolsonaro (PL). A mensagem, publicada 46 dias após o segundo turno da eleição, menciona supostos “sacrifícios” do ex-capitão.

“Tento imaginar como deve se sentir esse homem, com seu esforço banalizado porque não tem o poder de estalar os dedos e resolver tudo, pois não é gênio da lâmpada, alvejado sem piedade por gente que se acha dona da verdade, mas não sabe 1/100 do que está acontecendo e nem quer”, escreveu o “Zero Dois”.

Ele ainda criticou “gente imediatista” e alegou haver “todo um mundo de coisas que deveria ser levado em consideração”.

“Há muita gente validando atos de covardia extrema diante de um cenário de pura narrativa, narrativa esta desprovida de fatos. Por que tanta ingenuidade, se é que é mesmo o caso?”, perguntou.

Desde a vitória de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), manifestantes bolsonaristas bloqueiam estradas e se aglomeram em frente a quartéis para pedir um golpe militar. Os atos golpistas atingiram um novo estágio em Brasília na última segunda-feira 12, com o incêndio de ônibus e carros e o ataque à sede da Polícia Federal.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo