Célia Xakriabá

Primeira indígena eleita deputada federal por Minas Gerais

Opinião

assine e leia

Tributo ao pioneiro

Mário Juruna carregava seu gravador para mostrar ao povo brasileiro que a palavra do branco pouco valia. Pela primeira vez, fez os povos indígenas serem ouvidos no Parlamento

Juruna abriu caminho para a bancada do cocar – Imagem: Acervo/Fundação Leonel Brizola
Apoie Siga-nos no

Em 17 de julho, completamos 21 anos sem Mário Juruna, líder do povo Xavante e primeiro indígena eleito para ocupar uma cadeira na Câmara dos Deputados. A cada dia de trabalho no Congresso Nacional, carrego a sua força e memória. Não seria possível imaginar o nosso reflorestar da política sem olhar para o passado e reverenciar a história dele, que foi eleito ainda nos anos 1980, sempre agarrado ao seu gravador. As palavras têm o poder de flechas, sabia ele.

Quando falo que cheguei ao Congresso para assinar, e não para assassinar direitos, levo comigo os mais de 1,5 milhão de indígenas brasileiros, mas sempre me lembro de Mário Juruna e Joênia ­Wapichana. O primeiro indígena eleito e a primeira mulher indígena do Parlamento. Pelo meu estado, também sou a primeira mulher indígena eleita, mas trago a certeza de que haverá um momento em que não seremos mais os primeiros. E para honrar a memória e contar a nossa história a partir da nossa visão, neste mês protocolamos um projeto, o PCR 91/2023, que atribui ao Plenário 12 do Anexo II da Câmara dos Deputados o nome de Mário Juruna.

Este texto não representa, necessariamente, a opinião de CartaCapital.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo