Roberto Amaral

[email protected]

Cientista político, ex-ministro da Ciência e Tecnologia e ex-presidente do PSB. Autor de História do presente- conciliação, desigualdade e desafios (Editora Expressão Popular e Books Kindle)

Opinião

O golpismo, em marcha

As raras emergências de governo populares são decepadas por golpes ou acossadas por uma conjunção dos mais torpes interesses de classe

O presidente da Câmara, Arthur Lira. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

“Quando começo a pensar no próximo filme, meu desejo é realizar uma obra-prima, o filme dos filmes. Então as filmagens começam, surgem as primeiras dificuldades, e percebo que no máximo conseguirei fazer um bom filme. Ao final, são tantos os contratempos, empecilhos etc., que acabo me contentando em fazer um filme” – François Truffaut

Realpolitik – o “realismo” governante do mundo e de nossas vidas –, desdenha do sonho para impor-se como a arte do possível. Assim a humanidade se organizou e chega aos nossos dias. Regida pelos ditos espíritos pragmáticos, entre os quais se encontram os vencedores, a política se faz servidora do império das circunstâncias, um arco conceitual que caminha da Terra ao infinito. Os tempos atuais parecem haver defenestrado a utopia. O visionário, o antecipador é expulso de cena. Quase sempre o “realismo” obriga o líder a adequar-se às condições objetivas, ou, nas palavras de Truffaut, render-se às dificuldades, aos contratempos, aos empecilhos para, impedido de vencer, pelo menos não perder, o que já seria um “ganho”. Sonhando em escalar o topo, o líder pode, vencido  pelas circunstâncias, conformar-se no repouso do sopé. São correções de rota, revisão de objetivos e, fundamentalmente, composição de interesses visando à tomada ou conservação do poder, quase sempre em novos modos e novas medidas. Assim, a Nova República, na regência de José Sarney, compõe-se com o regime decaído e enseja a preeminência militar na reconstrução civil.

A história registra tipos e formas as mais variadas de vitória: a mais citada, certamente, é a “vitória de Pirro” na Batalha de Ásculo, em 279 a.C., contra os romanos, quando o rei comandante, chamado a comemorar o feito (que custara prejuízos irreparáveis em suas fileiras), teria dito a seus generais: “Mais uma vitória como esta, e estarei perdido”. Ficou como símbolo do vencer que equivale à perda. Lembro-me da vitória eleitoral das forças progressistas em 2014.

Truffaut nos convida à reflexão sobre o sonho (o projeto) submetido às limitações de sua viabilidade: as dificuldades impostas pela realidade objetiva.

No campo das esquerdas – considerado seu espectro  mais largo – o peso da realidade muitas vezes se abate de forma a mais radical, impondo mesmo a renúncia ao sonho. Não se trata, tão-só, de rever caminhos e construir veredas alternativas, mas de renunciar ao projeto como fim, abraçando os meios, ocupando as margens do processo histórico, transformando em metas o que antes não passava de estação de trânsito. Não é ainda o lado mais doloroso, pois há mesmo, e os fatos são contemporâneos, aquelas experiências de progresso social que logo sucumbem, como a pedra do suplício de Sísifo que despencava ladeira abaixo quando chegava ao cume.

No Brasil, o processo social parece dar dois passos atrás sempre que é dado um passo à frente: o golpe militar de 24 de agosto fechando no governo Vargas, vinte e um anos de ditadura após o governo de João Goulart, o golpe parlamentar de 2016 e a ascensão do bolsonarismo como resposta à experiência dos governos petistas.

Os tempos áridos desestimulam a semeadura. O líder não mais se apega à realização do sonho, porque o projeto de um bom governo foi reduzido pelas circunstâncias à pura e simples conquista do poder para a montagem (muitas vezes a qualquer preço) de qualquer governo, e o desafio passa a ser manter-se nele (também a qualquer preço), inseguro como o ginete que enfrenta a resistência da montaria.

As raras emergências de governo populares e mesmo de centro-esquerda são decepadas por golpes de Estado, seja militares (Vargas e Jango), seja parlamentares (Dilma Rousseff). Ou, como atual governo, se veem acossados por uma conjunção aparentemente irresistível dos mais torpes interesses de classe, que une no projeto de golpe de Estado permanente o que de mais atrasado o latifúndio, o escravismo e o racismo, irmãos siameses, puderam produzir. O ano de 2016 deve ser visto como uma antecipação de 2023.

Nesse quadro, o socialismo se apresenta como quimera, o revolucionário torna-se reformista, mesmo um governo de centro-esquerda timidamente mudancista é enfrentado como um risco, e todos terminam, pelas mais diversas portas, admitindo que, nas circunstâncias, as únicas mudanças possíveis são aquelas que não alcançam o âmago do poder, porque a ordem regente é concebida para que o sistema permaneça imune a abalos, nada obstante as concessões à democracia representativa, sob vigilância legal, judicial, econômica e militar da classe dominante. Nesse quadro, a esquerda não pode ter vez; a centro-esquerda reformista, no governo, não pode governar. A emergência das massas é ameaça, como é ameaça a simples sobrevivência das populações nativas, quando a disciplina constitucional da demarcação das terras indígenas é apresentada pelo latifúndio como ameaça à propriedade privada (e derruída por mera lei ordinária, fabricada por um Congresso reacionário).

Explica-se: como a experiência demonstra, os detentores dos meios de produção não têm por que abandonar seus recursos de poder simplesmente porque seu candidato preferencial deixou de ser eleito. Seu domínio é tal, principalmente sobre os fundamentos da pauta político-econômica, que a classe dominante nunca perde no voto: quem perde, aqui e ali, são seus candidatos dal cuore.

Em 2022 impedimos a reeleição do capitão – um grande feito que vale comemorar, até pelas dificuldades enfrentadas. Mas não derrotamos o ideário protofascista; ele está vivo e atuante, na sociedade e na política, dando as cartas no Congresso, isto é, legislando de forma unilateral, e co-governando por meio da Câmara dos Deputados, a mais atrasada de quantas o país conheceu, desde a frustrada constituinte de 1823. Trata-se de uma Casa hegemonizada pela associação do atraso político com o mais abjeto fisiologismo, chefiada por um capo (cria do famigerado Eduardo Cunha) que, em nome da corporação, não se peja em chantagear o governo. Essa é sua história desde a posse de Lula, e assim deverá ser no curso dos próximos anos. Não era necessário, mas o grande recado foi dado na votação da Medida Provisória que reestrutura os ministérios, aprovada na undécima hora, após o Executivo, acuado, liberar 1 bilhão e setecentos mil reais em verbas públicas para parlamentares. A Câmara deu o recado e apresentou seu preço, o governo curvou-se à chantagem, pagou, e o jagunço das Alagoas entregou o prêmio, como é de regra entre certos agrupamentos de comportamento antissocial. E, para que mude o humor da Câmara, são anunciadas “novas pactuações”.

Em entrevista coletiva, mesmo após o pagamento do “resgate”, o chefe da Câmara reclama da “falta de pragmatismo” do governo assacado.

O 28 de outubro, repito, não enterrou o projeto da extrema-direita nativa. O fracasso da intentona de 8 de Janeiro não encerra a história. O processo de golpe permanente continua de pé, e conserva intacto o apoio das forças que deram segurança à aventura protofascista. Repetindo história conhecida, a inviabilização do governo Lula é o ponto de partida da guerra em curso. Defender o mandato do presidente e o projeto de campanha consagrada pelas urnas é, pois, a tarefa de todos os democratas. A alternativa já conhecemos, e ela deixou triste memória. O caminho já foi percorrido pelos que souberam fazer a hora: a construção de uma nova maioria política, o que reclama nova estratégia do governo, dos partidos do campo popular e do movimento social.

***


Comentário ouvido no cafezinho da Câmara
 – Se Lula não tivesse, na última semana, atravessado a rua para pisar numa casca de banana, mobilizando contra si, desnecessariamente, os jornalões e seu eleitorado de classe-média, poderia hoje estar comandando uma frente ampla contra Don Lira, que, com a sua chantagem desmedida, ameaça ministérios que embelezam a imagem do governo, a saber, Meio Ambiente e Povos Originários. Mas se o curial é fazer do limão uma limonada, às vezes a política faz da limonada um limão.

Contrafação – O ex-PSB, que saiu do último pleito com dez deputados a menos, e ocupa no atual governo a vice-presidência da República e dois ministérios, liberou a bancada, na última terça-feira, para que três de seus nobres deputados votassem tranquilamente ao lado dos grileiros, contra os indígenas e o governo. Em relação à vizinha Venezuela, contudo, tem de sua atual chegia a sinalização para embarcar sem pejo no assédio dos meios de comunicação, esplendidamente humanistas, mas que não condenaram o sequestro de bens venezuelanos pela Grã-Bretanha no auge da pandemia, e não se mostram preocupados com a suspensão das sanções imperialistas contra Caracas, com a mediação do processo de paz, com a resolução da crise migratória e com o respeito à soberania daquele país. É constrangedor.

* Com a colaboração de Pedro Amaral

Este texto não representa, necessariamente, a opinião de CartaCapital.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo