…

O capitão Bolsonaro volta a campo. Mas o que reservará o futuro?

Opinião,Política

Jair Bolsonaro teve a sorte de conduzir aquela multidão que lhe deu a vitória, 57 milhões de votos, na eleição presidencial de 2018. Lula estava preso. A suposta direita arrastou os eleitores com mais facilidade. E o vencedor de hoje terá chances de repetir a dose na eleição de 2022. Tudo dependerá da economia, da política e daqueles milhões de desempregados que perambulavam durante a eleição.

Pela primeira vez na história republicana o conjunto dos eleitores identificados como de direita ficará no poder por mais tempo do que se supõe. Há sinais nesse sentido. Quem seria o próximo presidente após Bolsonaro? Ele mesmo?

Em 1945, o astuto Getúlio Vargas percebeu que era hora de dar fim ao Estado Novo. Entregou estrategicamente o poder ao confiável general Eurico Gaspar Dutra. Ganhou fácil a eleição. Um jogo semelhante foi executado muitos anos depois. Precisamente, durante a ditadura de Ernesto Geisel, sob a batuta do general Golbery. Deram o poder ao general Figueiredo. Trama bem-sucedida.

O destino do governo está sujeito aos índices de desemprego

A se analisar a questão a partir da situação atual, há dois candidatos possíveis na próxima eleição. Um do veterano PT e outro do nascente PSL. A primeira pesquisa eleitoral vai indicar se Ciro Gomes, do PDT, partirá com fôlego. Ele parece disposto a dar a última cartada. O PT dá sinais de queda e o PSL, indício de ascensão. Até agora.

Leia também: Filho de Bolsonaro lava roupa suja em público e acusa aliado do pai

Bolsonaro costurou forte aliança na Câmara e no Senado. O governo sustenta a força do partido. Sem isso, tudo se esfarela. Recuperado da condição física, após uma cirurgia, ele volta a Brasília para comandar de perto duas pautas do Congresso, a reforma da Previdência e a proposta de combate ao crime, elaborada na solidão do gabinete do ministro da Justiça, Sérgio Moro.

Pesquisa feita entre os congressistas aponta que mais de 80% deles apoiam as reformas.  

Este texto não reflete necessariamente a opinião de CartaCapital.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Editor Especial da revista CartaCapital

Compartilhar postagem