…

Após receber alta, Bolsonaro brada contra criminalizar homofobia

Diversidade,Justiça,Política

O Supremo Tribunal Federal iniciou nesta quarta-feira 13 o julgamento de duas ações que têm como objetivo tipificar a homofobia como crime de racismo. Logo após o término da sessão, o presidente Jair Bolsonaro, que recebeu alta no início da tarde após 17 dias internado, manifestou nas redes sociais sua posição contrária à criminalização, defendendo que já existem tipos penais para que sejam feitas denúncias em caso de preconceito.

“Não há na Constituição a obrigação de que o Poder Legislativo criminalize a “homofobia” e, dessa forma, não é possível citar mora legislativa para justificar o uso da ferramenta do mandado de injunção”, escreveu o presidente.

No primeiro dia do julgamento, que deve ser retomado nesta quinta-feira 14, a palavra ficou com advogados favoráveis e contrários à ideia de transformar homofobia em crime. Houve acusações de omissão do Estado brasileiro perante dados de agressão à comunidade LGBTI e falas sobre a não obrigatoriedade do Supremo em agir no lugar do Poder Legislativo.

Os advogados favoráveis à criminalização destacaram argumentos que comprovam a inclusão da homofobia na Lei do Racismo, além de participações passadas do Supremo Tribunal Federal que foram importantes à causa, como o reconhecimento da união homoafetiva. “O heterossexismo e cissexismo são ideologias racistas porque visam classificar o outro como desigual, inferior, estigmatizado, e naturalizam o grupo hegemônico como o único natural”, disse o advogado Paulo Roberto Vecchiatti.

Do outro lado, o perigo à liberdade de crença e expressão foi o principal ponto defendido por membros da bancada evangélica. Para eles, textos sagrados seriam considerados discriminatórios após uma decisão que transforme homofobia em crime.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

É repórter do site de CartaCapital.

Compartilhar postagem