CartaCapital

Ecologias das águas: o futuro em corrosão

Livro lançado na primeira quinzena de dezembro discute problemas ambientais e privatização da água

Apoie Siga-nos no

No dia 12 de dezembro de 2019, na periferia do Brasil, gestado no coração dos povos menores das águas da Mantiqueira, provocados pelo fim das águas, que estão sendo contaminadas, privatizadas e silenciadas, a partir da realização do II Fama Minerais – Fórum Alternativo das Águas Minerais, ocorreu na cidade mineira de Caxambu o lançamento do livro “Ecologias das águas: o futuro em corrosão”, que organizei em conjunto com Raphael Vianna e Valderí de Castro Alcântara, lançado pela organização da sociedade civil Nova Cambuquira e com o apoio do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, de distribuição gratuita e limitada e formato PDF.

Ana Paula Lemes de Souza no lançamento de “Ecologia das Águas”. Foto: Fabiana Amorim Oliveira Silva

Outros lançamentos ocorreram nas cidades menores do Circuito das Águas mineiro, nas bucólicas estâncias hidrominerais de Cambuquira, Lambari e Conceição do Rio Verde, pendente apenas São Lourenço, que enfrentam batalhas herculanas e seculares contra as empresas de engarrafamento, cuja sede profunda e ânsia pelo crescimento ignora os limites materiais geofísicos da Terra.

O lugar não poderia ser mais simbólico: na periferia do Brasil, as estâncias hidrominerais conservam o arcaísmo da beleza campestre. Resistentes à modernidade, esses são lugares que, embora erguidos pela modernidade, jamais foram modernos, lembrando o filósofo Bruno Latour. E se falamos de resistência à modernidade, tais estâncias oferecem novo fôlego, águas e ares para aprendermos novas coreografias com a Terra, pois entendem e celebram com suas belezas e singularidades aquilo que o resto do mundo perdeu e não tem mais: o encanto, a pequenez, o ar puro, a água, a mata, vários atores humanos e não humanos que, apesar da ânsia predatória, da ganância e da sede das engarrafadoras de água mineral, continuam resistindo.

As cidades oferecem proteção e abrigo para a náusea da modernidade, são mesmo a cura da doença da Terra, cuja condução pelos Humanos chegou a ficar tão grave que passou a nomear uma era: Antropoceno ou matizando, conforme sugestão da filósofa Donna Haraway, Capitaloceno – lembrando o chavão de que é mais fácil imaginarmos o fim do mundo do que o fim do capitalismo! Afinal, estamos vivendo uma catástrofe ambiental sem precedentes e somos nós os causadores. É preciso dar nome aos bois (para lembrar do metano, que já é mais que dobro maior do que no período pré-industrial): são os Homens Modernos, alguns mais do que outros, os responsáveis pelo colapso climático ecológico e, no caso que discutimos no livro, o colapso da água.

Bergson Cardoso Guimarães, promotor de justiça e coordenador do Núcleo Integrador para Tutela da Água (NUTA). Foto: Fabiana Amorim Oliveira Silva

Como ser água: o que nos ensinam os povos das águas da Mantiqueira

O livro se faz da composição polifônica de belos textos de povos originários, pesquisadores, ambientalistas, ativistas locais e professores, oferecendo novos ares para o tema das águas. Atravessa questões profundas e problemáticas, como o tratamento jurídico pelo estado brasileiro das águas minerais, que as considera minérios e não águas, sujeitas à exploração insustentável e exaustiva.

Os textos propõem repensar as ecologias das águas em tempos de corrosão, tempos difíceis, de fim do mundo, são mesmo sobre águas do fim do mundo, para falar como o professor e antropólogo Stelio Marras, que assina o texto de abertura.

E isso leva à ganância das engarrafadoras, inclusive, da Nestlé Waters, na estância mineira de São Lourenço, no Circuito das Águas, que, em 2018, após uma série de escândalos e ações judiciais, anunciou a venda de negócios de águas no Brasil à brasileira Indaiá Minalba, do Grupo Edson Queiroz, não sem deixar profundos rastros de morte que, provavelmente, continuarão a ser produzidos.

Como a história demonstra, a valorização da água em um único aspecto, como apenas um produto, causou profundo declínio nas estâncias, o que deu lugar às provocações inquietantes que aparecem no livro, a começar, no século XVIII, pela morte, escravidão e catequização dos povos originários da Mantiqueira e dos africanos escravizados – morte, escravidão e catequização que continuam praticadas contra a multiplicidade ontológica das águas minerais, um bem difuso e com propriedades curativas que tem sido reduzido à esfera mercadológica e enquadrado em um discurso econômico de crescimento irresponsável.

O livro é um ar de renitência e resistência dos povos que lutam contra a mineração, que, em 2019, somou tantos cadáveres, como o crime ambiental em Brumadinho e tantos assassinatos aos povos da floresta, como de Paulo Paulino Guajajara. Agora, está em questão a mineração da água, outra face maligna das minerações.

E se algo aprendemos no Circuito das águas da Mantiqueira é ser água: como atalhar pedras e geografias, transportar vida, mesmo quando tudo parece prenhe de morte, trafegar no subsolo e tecer alianças, conhecimentos valorosos neste ano cinzento de 2019, quando a exploração descontrolada da Terra adquire dimensões imensuráveis.

Quando os munícipes do Circuito falam das águas, não estão falando de outra coisa que não deles mesmos, de correlações e de pertencimento. O planeta é orgânico e tudo está interligado. São povos que aprenderam a ser água e dispostos a defendê-la de corpo e alma.

Em contrapartida, os bolsonaristas e uma parte da elite econômica do país, pensam na riqueza da água como apenas o dinheiro que obtêm de sua extração da Terra, mesmo que, ao minerar, façam minar toda a possibilidade de vida. Da mesma forma como pensam a Amazônia a partir do minério embaixo da Terra e não como toda a riqueza, biodiversidade e importância termodinâmica que, através da evapotranspiração, ajudará a conter o colapso climático ecológico.

O bolsonarismo e a indústria de águas

O crescimento da indústria de águas engarrafadas, liderado pela Coca-Cola, Danone, Ambev e Nestlé Waters é assustador. O controle por empresas multinacionais da água, um bem essencial à vida e cada vez mais escasso, é algo que precisa ser discutido no Brasil, que possui cerca de 12% da água doce disponível do planeta, uma grande parcela desta em solo amazônico.

Toda essa riqueza ambiental gera impactos geopolíticos, coisa que tende a se agravar nas próximas décadas, pois os conflitos e instabilidades sociopolíticas passam pela desadministração do acesso ao recurso natural.

Soma-se a isso o cinismo das empresas, que, com campanhas de marketing, maquiam a realidade dos fatos – como a Ambev na Black Friday, em 29 de novembro deste ano, ao dobrar o preço da água AMA, escorada em um falso “bom mocismo”, para “duplicar a ajuda aos projetos de acesso à água” por ela mantidos, enquanto, por outro lado, é ela mesma que mantém, junto com outras empresas multimilionárias do setor, esse esquema em que, para se ter acesso à água, é preciso pagar.

O poder de tais agentes em obter o controle de um bem de uso comum cada vez mais raro e escasso traz uma promessa de futuro corroído assustadora, com a tendência do aprofundamento do problema e o crescimento das desigualdades sociais.

Isso sem contar a degradação, pois a indústria de águas engarrafadas é uma das mais perversas ao ambiente, englobando toda a cadeia produtiva, da extração, produção e distribuição ao descarte, que envolve desde o petróleo no transporte ao redor do mundo até o acúmulo de lixo, lembrando que o descarte das garrafas é feito em um lixão ou, quando incineradas, transformadas em gases tóxicos na atmosfera.

A água está no epicentro da escalada de violências no mundo, pois haverá sede. Lembremos de Cochabamba em 2000, quando inclusive a água da chuva foi privatizada, estourando uma guerra sem precedentes. Sendo uma das indústrias mais perversas e ambientalmente irresponsáveis de todas, em um cenário em que, dentre as próximas décadas, a demanda por água superará a oferta em cerca de 40%, falar em controle da água é uma questão de cidadania.

 

No Brasil, como esperado do governo bolsonarista, o poder público está na contramão da ética ambiental e das políticas socioambientais. Quanto ao tema abordado pelo livro, a privatização da água, a Presidência apoia o PL 3261, aprovado na Câmara dos Deputados, que busca entregar nossas águas para a iniciativa privada, de autoria de Tasso Jereissati, senador milionário participante da família Jereissati, acionista brasileira do grupo Solar Coca-Cola, joint venture brasileira de engarrafamento de água e outras bebidas.

O futuro já está mesmo em corrosão, em que microfascismos se pulverizam como venenos; por isso, é preciso reinventarmos juntos novas formas e mundos, outras águas, outros antídotos, outros livros.

Reinventando o próprio formato editorial, Ecologias das águas: o futuro em corrosão é uma das importantes formas de pensar o fim das águas, reunindo vozes obstinadas no sentido de que repensar não as águas, mas com elas, é possível! E se o fim delas é mesmo inevitável, que seja outro o fim: o da visão mercadológica dos modernos, essa Terra dos Humanos, especialmente daqueles do centro do mundo, ilhados em suas megalópoles ultra-tecnológicas, em que tudo vira mercadoria.

Através de visão multidisciplinar e recusando a fabricação de soluções fáceis pela perspectiva salvacionista humanista, que é, lembre-se, igualmente antropocêntrica, o livro propõe alterações no tratamento da água mineral. Um novo enquadramento é buscado, não como minério, mas como recurso hídrico diferenciado, patente o interesse do atual arranjo em favorecer o mercado de engarrafamento, que desconsidera de sua gestão os povos residentes na região, fragiliza a democracia e aprofunda a lógica exploratória.

Dentre os “inimigos” do governo, em um ano que a Amazônia ardeu de uma forma impensável, nada poderia ser mais simbólico do que ouvir os “terranos”, para falar novamente com o filósofo Bruno Latour. Por “terranos” entendemos os que deixaram de ser Humanos e passaram a se perceber como “seres viventes na Terra”, povos que ensaiam novas coreografias com a Pachamama. Neste livro, são com os aquanos – os povos viventes com as águas! – que vamos aprender novos mergulhos!

De um ano esbaforido como 2019, terminá-lo com a tomada de ar para novos mergulhos é no mínimo revitalizante. Diante do futuro em corrosão, trata-se mesmo da proposta de construção de outro futuro, uma relação diferente com as águas e com o próprio modo de viver para além delas.

Ana Paula Lemes de Souza

Ana Paula Lemes de Souza
Doutoranda em Direito na FND/UFRJ. Pesquisadora, escritora, ensaísta, professora e advogada.

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.