Opinião

É a economia, estúpido

Hoje em dia, vemos os índices econômicos mais animadores. Mesmo assim, as viúvas do bolsonarismo mal avaliam o atual poder incumbente

Foto: José Cruz/ Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

Sim, confesso, no título, grande déjà-vu, né? Até mesmo bolsonaristas com mais de 3,5 neurônios, o 0,5 por conta dos que, passado um ano, se convenceram, ainda que não expressem a merda que foi a gestão do Regente Insano Primeiro (RIP). Não, não errei. Nem capitão é. Lembram-se da quartelada que arriscou em favor do aumento nos soldos dos militares e do Exército acabou defenestrado?

Paciente, posso resumir. Nas eleições presidenciais dos EUA em 1992, concorriam o então presidente republicano, George W. Bush, e o governador democrata do Arkansas, Bill Clinton. Enquanto o republicano sustentava a campanha na política externa (“defesa da Pátria” em momento que o perigo desidratava), Clinton insistia no mesmo. Acreditava seu foco de campanha estar na insatisfação dos eleitores e sua insatisfação bélica.

Erravam os dois. O problema dos norte-americanos estava em crescimento industrial, emprego, renda, juros, poder de consumo, impostos, tudo aquilo que pudesse recuperar o perdido na era Bush, o sonhado American Way of Life.

Assessor da campanha de Bill Clinton, o publicitário James Carville cria o slogan (hoje em dia, se diria ‘faz viralizar’): “é a economia, estúpido”.

Bill saca e segue. Resultado (urnas não contestadas):

Milhões de votos: Bill Clinton 45 (43%); GW Bush 39 (37,5%);

Colégio Eleitoral: democratas 370; republicanos 168.

Acachapante, não?  Era, pois, a economia, e não o Golfo.

E no Brasil, hoje em dia, será o mesmo? Deveria ser. Afinal, não creio a Venezuela ser perigo capaz de ameaçar nosso musculoso arsenal bélico, mas sim a pobreza que se infiltra no ânus largo da sociedade, que inclui, vejam vocês, comer e refazer a capacidade de reproduzir o trabalho com produtividade, em território que mais oferece do que recebe.

Continuar contando apenas com a agropecuária no mercado externo de forma eterna? Preços baixos (primários) versus preços de altos valores agregados (manufaturados).

A maior parte de nosso desenvolvimento tem sido conquistada pelos agronegócios. Digo mais, não apenas quando se produz para as exportações, mas também para o mercado interno.   

Hoje em dia, vemos os índices econômicos, sob quaisquer aspectos, mais positivos, animadores, a ponto de a agência norte-americana Moody’s aumentar a perspectiva de nota positiva para a economia brasileira no governo de Lula e na gestão econômica de Fernando Haddad. Ou seja, embora a nota permaneça a mesma, a percepção de crédito para investimento no País avançou de ‘estável’ para ‘positiva’.

Mesmo assim, as viúvas do bolsonarismo, sem o mitológico Messias, este já liquidado, nas pesquisas recentes de opinião mal avaliam o atual poder incumbente, o que reforça minha hipótese de que, por séculos, o brasileiro foi, é, será um “pensador” (?) Bolsonaro populista.

Que pena.

Este texto não representa, necessariamente, a opinião de CartaCapital.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo