Alberto Villas

[email protected]

Jornalista e escritor, edita a newsletter 'O Sol' e está escrevendo o livro 'O ano em que você nasceu'

Opinião

Caiu o sistema!

Depois de muitos anos, tive de ir a uma agência bancária para tirar aquele documento que o Imposto de Renda exige

Foto: Arquivo/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

Fazia anos, anos mesmo, que eu não entrava numa agência bancária. Bem antes da pandemia, eu passei a não ir, assim que os bancos não aceitavam mais pagamento de condomínio, luz, gás, telefone. Não tinha mais o que fazer ali.

Enquanto todo mundo já pagava suas contas pelo celular, eu ainda saía de casa, pegava a Rua Clélia e ia pagar os boletos no banco. Não me importava com a fila, porque ouvia coisas que sempre alimentavam minha escrita.

Na semana passada, eu precisei voltar ao banco. Não estava conseguindo tirar pelo aplicativo aquele documento que o Imposto de Renda exige. Resolvi ir lá.

Antes de passar pela porta constrangedora, o segurança perguntou o que eu ia fazer no banco. Contei a ele do documento e a porta foi destravada.

Estranhei.

No lugar onde sentavam quatro mocinhas, tinha apenas uma e os computadores ao lado dela pareciam adormecidos, cobertos com uma capa de plástico preta.

Não tinha ninguém na fila, o que também estranhei. Falei com a única funcionária sobre o documento e ela balançou a cabeça, desolada:

– Estamos sem sistema.

E ela não tinha a menor ideia – claro – de quando o tal sistema ia voltar. Ou se ia voltar um dia.

Na mesma hora me veio à cabeça uma velha canção de fossa (acho que hoje chamam de sofrência) cantada pela Maysa: Meu mundo caiu!

Não tinha o que fazer, a não ser voltar pra casa. Como já eram três e tanto da tarde e eu ia passar na porta da padaria que recebeu aquele quadro na parede dizendo que ganhou o melhor pão francês de 2023, resolvi comprar uns, quentinhos, pra fazer o lanche em casa.

Pra entrar na padaria, foi preciso pegar uma plaqueta de plástico, enfiar numa máquina, esperar a luzinha passar do vermelho pro verde e empurrar a catraca.

Acabou aquela coisa de entrar na padaria do bairro e dar “bom dia, padeiro”. Fiquei imaginando que muito em breve, para comprar o pãozinho, vai ser preciso entrar no aplicativo, colocar a senha, entrar na sua sua conta, escolher o pãozinho, colocar o número do cartão, agendar a retirada e pronto.

Isso, se o sistema não cair.

Este texto não representa, necessariamente, a opinião de CartaCapital.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo