Opinião

Chegou a hora dos mandantes?

Sem punir os organizadores da tentativa de golpe, o Brasil continuará refém do autoritarismo

(Foto: Gabriela Biló/Estadão Conteúdo)
Apoie Siga-nos no

Na edição especial de CartaCapital para lembrar o primeiro ano da tentativa de golpe no 8 de Janeiro de 2023, publicada no mês passado, uma conclusão permeou os textos: sem punir os mandantes, o Brasil repetiria a sina que marca a sua história, consagrar a anistia como prêmio a quem atenta contra o Estado de Direito. Em um país submisso ao golpismo das elites, transformado em República por meio de uma quartelada, não acertar as contas com o passado, “deixar para lá”, tornou-se ao longo do tempo um imposto pago à trégua concedida pelos autoritários, como se os democratas subscrevessem um bilhete: vão para casa, descansem um pouco, se reorganizem e voltem mais tarde. Estaremos de portas abertas.

Uma linha reta liga o 8 de Janeiro à impunidade dos generais, torturadores, políticos e empresários que mantiveram os brasileiros mergulhados na noite de 21 anos da ditadura. O faz-de-conta da nossa democracia, o medo em perturbar as casernas, como se os militares fossem senhores da vida civil e não servidores públicos, a indiferença em relação à cidadania, essa maneira de ser e pensar (ou de não-pensar) coletivo descende do fatalismo diante de certas máximas: ganha quem grita mais alto, manda quem pode, obedece quem tem juízo e por aí adiante.

Por sorte, a incompetência bolsonarista e a conjuntura internacional impediram o pior

A nova etapa da investigação conduzida pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF, é, portanto, uma novidade histórica. Desde 1° de janeiro de 2019, quanto tomou posse, Bolsonaro urdia a perpetuação no poder. Nunca escondeu a intenção. Duas eram as possibilidades: reeleger-se a qualquer custo, ou melhor, às custas da quebra do erário, ou dar um golpe “justificado” pela falsa tese de fraude eleitoral. Como confessou ao falar da Abin “paralela”, o ex-presidente “não tinha inteligência”, motivo pelo qual viu-se obrigado a reunir um séquito de conspiradores, entre generais, incels e arrivistas, para levar o plano adiante. Por sorte, a incompetência bolsonarista e a conjuntura internacional impediram o pior (ah, se Donald Trump presidisse os Estados Unidos…).

A novidade histórica ainda precisa virar um ponto de inflexão. A operação da Polícia Federal desta quinta-feira 8 dá nome aos bois (desculpe, não resisti). Punir os mandantes da fracassada intentona, sem descuidar do devido processo legal, será a prova do amadurecimento institucional do País. O ciclo só se fechará quando os boiadeiros se uniram no curral da Papuda ao gado condenado por destruir os símbolos dos Três Poderes naquele domingo. Se assim for, o Brasil terá a oportunidade de superar o trauma do golpismo e de viver sempre aquém da democracia.

Este texto não representa, necessariamente, a opinião de CartaCapital.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.