Opinião

A páscoa da pandemia e o que o liberalismo tem a ver com isso

A pequena guerra do trio pascoal não é isolada e muito menos um bom indício de futuro de nossa democracia

André Mendonça, Kassio Nunes Marques e Augusto Aras (Fotos: Fabio Rodrigues Pozzebom/Fellipe Sampaio/Rosinei Coutinho)
André Mendonça, Kassio Nunes Marques e Augusto Aras (Fotos: Fabio Rodrigues Pozzebom/Fellipe Sampaio/Rosinei Coutinho)

O ministro do STF Kassio Nunes Marques, o procurador-geral da República Augusto Aras e o advogado-geral da união André Mendonça formaram uma espécie de “trinca pascoal” para nos brindar com uma espécie de guerra entre Religião e Estado – no seio do próprio Estado – na primeira semana deste nosso abril de tragédias.

A razão, como todos sabem, foi um embate sobre decisões de proibição ou liberação de cultos presenciais em igrejas no meio de uma escalada de mortes pela Covid-19 e colapso no sistema de saúde. André Mendonça chegou a proferir a seguinte frase em julgamento da respectiva ação no STF: “[…] os verdadeiros cristãos não estão dispostos jamais a matar por sua fé, mas estão sempre dispostos a morrer para garantir a liberdade de religião e de culto”. Marques e Aras, ainda que com estilos diferentes, não se diferenciaram do colega no apelo teocêntrico de seus argumentos.

Obviamente, há um elo notório entre os três atores dessa história: o alinhamento com o governo Bolsonaro. No entanto, creio que o episódio nos requisite mais atenção por ser mais complexo e complicado do que simples interesses políticos e privados naturais ao jogo da política democrática.

Como se sabe, o liberalismo, que dá origem à democracia moderna quando se funde a uma forma democrática de governo, é uma doutrina filosófica ocupada em definir os limites e funções do Estado contra o exercício absoluto do poder por meio da criação de um sistema de direitos e liberdades. Mais: trata-se de uma corrente de pensamento da filosofia política calcada, originalmente, num ideal (normativo) igualitário de distribuição de direitos que confere aos sujeitos a proteção contra a tirania de governantes ou de qualquer outro. É de onde se origina aquilo que ideologias fascistas mais odeiam: os Direitos Humanos. Mas quero chamar atenção para um outro elemento fundamental.

O liberalismo tem um outro componente essencial: o separatismo. Aos afoitos, peço calma. Não se trata dos separatismos nacionalistas, xenofóbicos, racialistas ou algo que o valha. Muito menos diz respeito à interdição de comunhões e coletivos, visto que é também aí que se cria as liberdades de associação e reunião. Da mesma forma, o individualismo liberal não é sinônimo de individualismo egocêntrico em que a coletividade não existe. Ao contrário: é também nesse bojo que a noção de bem comum é construída.

Bem comum este que, ao menos sob o ponto de vista liberal, demonstra que Mendonça trata de tudo em sua fala, menos das liberdades sob o ponto de vista da tradição liberal na medida em que estas não são absolutas, mas relativas às liberdades e direitos do outro: como o direito à vida. Pode-se até ser um idiota (no sentido etimológico do termo) e ter o direito de sê-lo contanto que essa idiotice não prejudique as liberdades alheias, já dizia John Locke lá no século XVII. Não é, portanto, o caso quando se quer permitir aglomerações em espaços fechados em meio a uma pandemia que já matou mais 370 mil pessoas no país.

Trata-se do liberalismo como arte da separação que o distingue das épocas que o precedem nas quais as esferas em que se formavam os centros de poder eram confundidas umas com as outras. Como explica o mestre Norberto Bobbio em referência ao filósofo político Michael Walzer, o liberalismo é um universo de muralhas em que cada uma das quais cria uma nova liberdade. Eis o nosso ponto: as muralhas que foram erguidas entre a Igreja e o Estado permitiram a liberdade religiosa, o muro que é elevado entre a Igreja e o Estado de um lado, e a universidade, de outro, é o que permitiu a liberdade de pesquisa e de pensamento em geral e assim sucessivamente, como a própria separação da sociedade civil do Estado que constrói a liberdade econômica.

O que o episódio relatado no início dessa coluna parece revelar como lição para reflexões sobre o nosso futuro é quantos desses muros erguidos, que nos garantem liberdades, direitos, diversidade, pluralismo e garantias de existência de minorias políticas ainda estão de pé e, uma vez estando, sob quais condições estariam. E não se trata apenas de liberdade de crença, mas o quanto preceitos e valores religiosos, uma vez representados nas instâncias de decisão coletiva, tornam-se uma agenda política com capacidade de reconfigurar o Estado à imagem e semelhança dos princípios, valores e práticas de instituições religiosas.

É óbvio que não podemos nos dar ao direito de fazer generalizações e, com base nelas, perseguir e discriminar religiões e religiosos se quisermos ser coerentes com os princípios liberais que protegem todos nós: dos ateus aos agnósticos, passando pelas pessoas de fé. No entanto, não é possível olhar para muitas das políticas tocadas pelo governo Bolsonaro e a presença de figuras como Nunes, Aras e Mendonça nos demais Poderes e órgãos do Estado sem encarar o fato de que um dos fenômenos mais vistosos de nossos tecidos social e político brasileiros é a ascensão dos evangélicos pentecostais e neopentecostais – ou ao menos de princípios, ideais e ideologias hiperrepresentadas por esses segmentos.

Como faz questão de salientar o especialista no assunto, Juliano Spyer, essas denominações evangélicas são responsáveis por consideráveis revoluções – para muitos silenciosas – em estratos sociais brasileiros variados, mas principalmente nos patamares de baixa renda. Isso porque conduzem à ascensão socioeconômica por meio da redução do alcoolismo e, consequentemente, da violência doméstica, do fortalecimento da autoestima, da disciplina para o trabalho, do aumento do investimento familiar em educação, da profissionalização, dos cuidados com a saúde, da formação de redes de cooperação mútuas que abrem caminho para o mundo do trabalho, sem mencionar o fato de que as próprias atuações em suas igrejas lhes podem conferir um ofício profissional – ainda que, obviamente, isso tudo não seja suficiente para explicar a transcendência dos atos de fé. Basicamente, proporcionam o que a ausência do Estado lhes nega.

Há outro elemento importante nessa ética protestante pentecostal e neopentecostal que nos leva à questão central deste texto: a própria compreensão de que os bens materiais são obras divinas postas no mundo para o usufruto da criatura merecedora conduz, inevitavelmente, aos estímulo à participação (legítima, por que não?) em outras instâncias da vida apartadas da vida religiosa, como a política. Do mesmo modo, há um fenômeno cultural e também de ordem comunicacional: a própria participação no debate público alargado proporcionado pelas redes digitais de comunicação insere, cada vez mais, o pensamento religioso evangélico hegemônico nas conversações cotidianas sobre temas de interesse público. Gera atenção, interesse, adesão e comunhão. O problema, no entanto, está naquilo que vem acompanhado com esse fenômeno extraordinário: o ultraconservadorismo.

É verdade que a representação política evangélica é proporcionalmente maior do que a quantidade de evangélicos presentes na população brasileira. Da mesma forma que a quase totalidade desses representantes não coadunam com princípios e valores liberais como a tolerância à diferença (ou progressistas, como queiram). No entanto, é igualmente verdade que os adeptos das denominações evangélicas crescem a um ponto em que as estimativas os colocam em maior quantidade que os católicos brasileiros daqui a mais ou menos 10 anos.

Mais dados: cerca de 70% dos evangélicos votaram em Bolsonaro no segundo turno de 2018 e esse segmento continua sendo o que abriga o maior número de pessoas que ainda aprova e avalia com ótimo/bom a atual gestão, como mostra a última pesquisa Exame/Idea. Por uma razão que considero simples: nunca nenhum outro presidente conseguiu transformar uma disputa político-eleitoral numa disputa moral como Bolsonaro conseguiu. Como mostra estudo de Lucio R. Rennó, o voto em Bolsonaro teve forte correlação com questões morais, como casamento gay, adoção por casais homossexuais, ensino religioso nas escolas, dentre outras. Fundamental incluir, ainda, a sinalização a esses grupos com embalagem ultraconservadora sobre a suposta existência de condutas moralmente degradantes como a pedofilia e o incesto na conduta de adversários, a falácia da ideologia de gênero ensinada nas escolas, as caricaturas sobre as lutas pelos direitos das mulheres e justiça de gênero e a própria alegação da doutrinação ideológica na educação.

O conservadorismo ou ultracoservadorismo brasileiros, por óbvio, não se resume a religiosos evangélicos ou mesmo religiosos. Mas é inegável que a maior força de tração social e política desse fenômeno na atualidade advém dessas denominações religiosas. Os dados de adesão a Bolsonaro não mentem. Do mesmo jeito como demonstram as estratégias de diversionismo do presidente, quando acuado: o apelo é sempre para sua base conservadora de apoio por meio de ofensas e insultos a minorias ou fantasmagorias do pensamento conservador/reacionário. Não é à toa, como foi noticiado nesta semana, que Bolsonaro já estuda retomar sua agenda moral conservadora de olhos nos evangélicos em razão da ascensão das intenções de voto em Lula.

Nunes, Aras e Mendonça não estão sozinhos. Nos três poderes do Estado já não nos faltam os que se recusam a preconizar os fundamentos liberais que permitem uma vida coletiva amparada pela pluralidade, pela diversidade, pela tolerância e pelo secularismo que garantem, fundamentalmente, a existência e exercício de liberdades e garantias fundamentais, como as religiosas.

A pequena guerra do trio pascoal não é isolada e muito menos um bom indício de futuro de nossa democracia, tal como – e não é à toa – o é o atual governo que temos. Tendo a achar que o Brasil precisa colocar entre suas prioridades a discussão sobre as fundações de um contrato social que se sobreponha a avanços que corroam o que ainda temos de liberalismo sob pena de, como alerta Yascha Mounk, estarmos no caminho de criação de uma democracia sem liberalismo.

Ou seja, um Estado que garante a participação política de todos e todas – em eleições, por exemplo – mas não confere liberdades e garantias fundamentais ao conjunto de seus cidadãos e cidadãs. Esse cenário pode parecer improvável ou mesmo distante para muitos, mas Nunes, Aras e Mendonça sugeriram o oposto, ainda que “não tenha sido dessa vez”. Mas quanto tempo as instituições poderão resistir? A quantas indicações para o STF ou a quantos governos como o atual? Ou melhor: quanto tempo mais as instituições resistirão a mudanças que podem desfigurar seus alicerces liberais? Assembléias municpais Brasil afora já contam com parlamentares que citam mais a bíblia do que a Constituição do país.

É preciso estar atento a mudanças degenerativas das democracias liberais, ou seja, para transformações que se dão por meio de processos incrementais e não por manobras vistosas e grandiosas, como alerta David Runciman em seu Como as Democracias Chegam ao Fim, afinal, instituições podem ser suficientemente porosas a mudanças graduais no âmbito da cultura e da política. O momento parece oportuno para se pensar a respeito e não será possível fazê-lo sem considerar e envolver os próprios evangélicos nesse debate, afinal, como todos nós dentro da República, eles importam.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!