Mundo

Ucrânia afirma que derrubou bombardeiro russo de longo alcance

O Ministério da Defesa da Rússia não confirmou que um de seus aviões foi alvo de disparos ucranianos

Fotografia mostra o que seriam os destroços de um bombardeiro estratégico de longo alcance russo Tu-22M3 caído em um campo agrícola nos arredores de Stavropol, na Ucrânia. Foto: Governor of Stavropol Krai / AFP
Apoie Siga-nos no

A Ucrânia anunciou que derrubou nesta sexta-feira um bombardeiro russo de longo alcance utilizado para o lançamento de mísseis de cruzeiro, pela primeira vez desde o início da invasão do país há mais de dois anos.

“Pela primeira vez, unidades de mísseis antiaéreos da Força Aérea, em colaboração com os serviços de inteligência da Defesa ucraniana, destruíram um bombardeiro estratégico de longo alcance Tu-22M3”, afirmou o Exército ucraniano em um comunicado publicado nas redes sociais.

O serviço de inteligência militar ucraniano, o GUR, destacou que o impacto no ar aconteceu “a uma distância quase 300 km da Ucrânia” e que o bombardeiro “conseguiu voar até uma área de Stavropol”, no sul da Rússia, “onde caiu”.

O Ministério da Defesa da Rússia não confirmou que um de seus aviões foi alvo de disparos ucranianos.

Uma fonte militar, no entanto, declarou à agência estatal TASS que um bombardeiro supersônico Tupolev-22M3 “caiu na área de Stavropol após uma missão de combate, quando retornava para sua base”.

Segundo a mesma fonte, a aeronave não transportava armas a bordo.

O governador da região de Stavropol, Vladimir Vladimirov, declarou no Telegram que um Tupolev-22M3 caiu na região devido a um incidente “técnico” e que pelo menos um membro da tripulação morreu.

Dois tripulantes foram encontrados e os serviços de emergência procuram o quarto integrante da equipe, acrescentou.

Stravropol é uma região que fica ao leste da península anexada da Crimeia, cenário de vários ataques desde o início da invasão russa da Ucrânia, em fevereiro de 2022.

Na região de Dnipropetrovsk, no centro-leste da Ucrânia, ao menos oito pessoas, incluindo duas crianças de seis e oito anos, morreram e 18 ficaram feridas em bombardeios noturnos da Rússia, segundo o Ministério do Interior.

O ministério alertou que o balanço de vítimas pode aumentar, à medida que as buscas avançam nos escombros dos edifícios residenciais que foram atingidos na cidade de Dnipro e em outra localidade próxima, Synelnykove.

A Rússia disparou 22 mísseis e 14 drones explosivos durante a madrugada de sexta-feira contra alvos na Ucrânia, relatou a Força Aérea de Kiev, que afirmou ter derrubado 29 projéteis.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo