Mundo

Rival de Bolsonaro, presidente da França assume comando do Conselho da União Europeia

Órgão coordena políticas dos países do bloco, em áreas como relações internacionais e segurança

O presidente da França, Emmanuel Macron. Foto: Ludovic MARIN/AFP
O presidente da França, Emmanuel Macron. Foto: Ludovic MARIN/AFP
Apoie Siga-nos no

A partir de 1º de janeiro deste ano, a França passa a ocupar a presidência rotativa do Conselho da União Europeia. O mandato dura seis meses. Na gestão anterior, o cargo era ocupado pela Eslovênia.

Rival do presidente Jair Bolsonaro, o mandatário francês Emmanuel Macron comandará o órgão responsável por coordenar as políticas dos países da União Europeia, em áreas como relações internacionais e segurança, e celebrar acordos entre o bloco e outros países ou organizações internacionais.

 

O Conselho foi criado em 1958 e tem sede em Bruxelas, na Bélgica. Participam como membros os ministros dos governos de cada país do bloco.

Não há integrantes fixos – a composição ocorre por meio dez formações diferentes, a depender dos assuntos tratados nas sessões públicas, onde as autoridades reunidas apreciam e votam projetos legislativos.

O órgão é uma das instituições mais importantes da União Europeia, ao lado do Parlamento Europeu, do Conselho Europeu e da Comissão Europeia.

Prestes a concorrer na eleição presidencial de abril, contra os representantes da extrema-direita Marine Le Pen e Éric Zemmour, Macron declarou em discurso na sexta-feira 31, no Palácio do Eliseu, que o ano novo pode marcar uma “mudança de rumo” para a Europa. O chefe de Estado demonstrou preocupação com temas como a pandemia e as mudanças climáticas.

Em novembro, Macron chegou a se reunir com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para discutir o combate à extrema-direita. O gesto foi compreendido por especialistas como uma manifestação de preferência a Lula por parte dos europeus na eleição de 2022 no Brasil.

Entre os desafios a serem enfrentados pela França no comando do Conselho, está a mediação da crise entre a Rússia e os Estados Unidos sobre os rumos da Ucrânia. Os presidentes Vladimir Putin e Joe Biden sinalizam risco de ruptura diplomática por divergências quanto à presença da Organização do Tratado do Atlântico Norte, a Otan, na região.

Victor Ohana

Victor Ohana
Repórter do site de CartaCapital

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.