Mundo

Países da América do Sul pedem a Guiana e Venezuela uma ‘solução pacífica’ sobre Essequibo

Comunicado foi endossado por Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai, Chile, Colômbia, Equador e Peru

Maduro discursa na Venezuela após divulgação do resultado do referendo sobre Essequibo. Foto: Pedro Rances Mattey / AFP
Apoie Siga-nos no

Oito países da América do Sul pediram a Guiana e Venezuela uma “solução pacífica” para o conflito territorial no Essequibo, após um aumento das tensões entre as nações vizinhas.

Em uma declaração conjunta divulgada nesta quinta-feira 7, Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai, Chile, Colômbia, Equador e Peru manifestaram  “profunda preocupação com a elevação das tensões”.

“A América Latina deve ser um território de paz e, no presente caso, trabalhar com todas as ferramentas de sua longa tradição de diálogo”, diz o texto. “Nesse contexto, alertam sobre ações unilaterais que devem ser evitadas, pois adicionam tensão, e instam ambas as partes ao diálogo e à busca de uma solução pacífica da controvérsia, a fim de evitar ações e iniciativas unilaterais que possam agravá-la.”

Cresce a tensão

O ministro da Defesa da Venezuela, Vladimir Padrino López, classificou como “provocação” os exercícios militares dos Estados Unidos na Guiana, em meio a uma disputa sobre o Essequibo, um território rico em petróleo.

“Essa infeliz provocação dos Estados Unidos a favor da ExxonMobil na Guiana é outro passo na direção errada. Alertamos que não irão nos desviar de nossas futuras ações pela recuperação do Essequibo. Não se enganem! Viva a Venezuela!”, publicou López na rede X.

Mais cedo, os Estados Unidos anunciaram uma série de exercícios aéreos militares na Guiana.

Há quatro dias, o governo de Nicolás Maduro promoveu um referendo para obter apoio à sua reivindicação sobre Essequibo, uma região rica em petróleo equivalente a 2/3 do território da Guiana.

Após a aprovação do referendo por 95% dos eleitores, segundo dados oficiais, Maduro propôs uma lei para criar uma província venezuelana na área disputada. Ele também ordenou que a petrolífera estatal conceda licenças para extrair petróleo bruto em Essequibo.

Nesta quinta, a embaixada norte-americana na Guiana informou que, “em colaboração com as Forças de Defesa da Guiana, o Comando Sul dos EUA conduzirá operações de voo dentro da Guiana em 7 de dezembro”.

O texto acrescenta que o exercício “se baseia em compromissos e operações de rotina para melhorar a associação de segurança entre os Estados Unidos e a Guiana e fortalecer a cooperação regional”.

A disputa pelo Essequibo ganhou força depois de a petroleira americana ExxonMobil descobrir significativas jazidas de petróleo em 2015.

A Venezuela argumenta que o Essequibo faz parte de seu território, como em 1777, quando era colônia da Espanha, e apela ao acordo de Genebra, assinado em 1966, antes de a Guiana se tornar independente do Reino Unido.

A Guiana, por sua vez, defende um laudo de 1899 e tenta ratificá-lo na Corte Internacional de Justiça, cuja jurisdição não é reconhecida por Caracas.

A pedido da Guiana, o Conselho de Segurança da ONU se reunirá a portas fechadas nesta sexta-feira 8 para discutir o assunto. Em carta à qual a agência AFP teve acesso, o chanceler guianense, Hugh Hilton Todd, solicita ao órgão “uma reunião urgente”.

Enquanto isso, no âmbito da cúpula do Mercosul realizada no Rio de Janeiro, o presidente Lula (PT) propôs a mediação da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos na disputa e pediu aos presidentes de Argentina, Uruguai e Paraguai que cheguem a uma declaração conjunta.

(Com informações da AFP)

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo