Mundo

Macron lamenta ‘fascínio pelo autoritarismo’ crescente na Europa

O presidente se disse decidido a “participar no debate” eleitoral “para desmascarar as ideias da Reunião Nacional”, o partido de extrema-direita francês que lidera as intenções de voto

Foto: Ludovic MARIN / POOL / AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente francês, Emmanuel Macron, lamentou neste domingo (26) o “fascínio pelo autoritarismo” que está se consolidando na União Europeia (UE) e pediu participação nas eleições legislativas do próximo mês nos 27 países do bloco, para “defender a democracia”.

“Nunca tivemos tantos inimigos internos e externos […] Acho que estamos vivendo, basicamente, uma espécie de crise da democracia”, declarou Macron em Berlim, em uma coletiva de imprensa junto ao presidente alemão, Frank-Walter Steinmeier.

“A força das democracias é o debate permanente sobre todos os assuntos, para tentar chegar à melhor decisão que o povo escolher”, assegurou.

Mas atualmente “há uma espécie de fascínio pelo autoritarismo que está surgindo em nossas próprias democracias”, acrescentou.

O mandatário apontou contra “a ascensão da extrema-direita” no continente, apesar de que “nada se sustenta no discurso” dessas formações.

Se os partidos de extrema-direita tivessem estado no poder nos últimos cinco anos, “só teriam agravado as difíceis situações que vivemos: empobrecimento, divisão, apoio à Rússia, abandono da Ucrânia e menos democracia”, enumerou.

O presidente centrista se disse decidido a “participar no debate” eleitoral “para desmascarar as ideias da Reunião Nacional”, o partido de extrema-direita francês que lidera as intenções de voto para as eleições que se realizarão de 6 a 9 de junho.

A Alemanha, por sua vez, está enfrentando um fortalecimento do partido ultranacionalista AfD.

“O problema hoje em dia é que em nossas democracias nos acostumamos à democracia e nos esquecemos de que esta é uma luta”, sublinhou Macron.

“Deixamos que os nacionalistas e, muitas vezes, os inimigos da democracia colham todos os benefícios da democracia e critiquem a própria existência dela”, lamentou.

Por isso, “é importante votar nas eleições europeias no partido que se apoia e que este seja um partido que defende a Europa”, declarou.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo