Mundo

Oposição encaminha candidatura única contra Maduro na Venezuela

No final de semana, Manuel Rosales desistiu da própria candidatura para apoiar o diplomata Edmundo González Urrutia

Sede do conselho eleitoral da Venezuela. Foto: Juan BARRETO / AFP
Apoie Siga-nos no

A oposição majoritária encaminha uma candidatura única à presidência na Venezuela, após a renúncia, neste sábado, de Manuel Rosales em favor do diplomata Edmundo González Urrutia.

“Em nosso compromisso com a rota eleitoral para mudar a Venezuela, registramos junto ao Conselho Nacional Eleitoral a renúncia de Manuel Rosales Guerrero como candidato na eleição presidencial de 28 de julho”, publicou no X o partido Um Novo Tempo.

“Avançaremos agora para o segundo passo nas gestões pertinentes para aderirmos à candidatura de Edmundo González, da Mesa da Unidade Democrática”, acrescentou.

A candidatura de González, 76, rival de Hugo Chávez em 2006, foi decidida por unanimidade pela coalizão Plataforma Unitária Democrática (PUD), após longas reuniões.

Outros partidos que apoiavam Rosales também aderiram à decisão do governador do estado petroleiro de Zulia, que se inscreveu com seu partido, que faz parte da PUD, formada pelos 10 partidos mais importantes do país.

A oposição concentra forças em torno de um único candidato para enfrentar o presidente do país, Nicolás Maduro, que buscará o terceiro mandato consecutivo contra 12 candidatos, a maioria deles rotulados como colaboradores do governo.

“O verdadeiro risco eleitoral de Maduro é a união, e não um candidato específico”, ressaltou no X o analista Luis Vicente León.

O prazo para a alteração ou substituição de candidaturas vencia hoje, mas o CNE o prorrogou por 72 horas.

Um diplomata contra Maduro

A oposição da Venezuela anunciou a candidatura do diplomata Edmundo González Urrutia para enfrentar Nicolás Maduro, nas eleições de 28 de julho, substituindo a líder inabilitada María Corina Machado.

González Urrutia, 74 anos, estava inscrito como “candidato provisório” da Plataforma Unitária Democrática (PUD), mas a coalizão decidiu aprovar por unanimidade a sua candidatura definitiva, informou o secretário-geral da aliança, Omar Barboza.

“É uma decisão histórica para o povo da Venezuela”, disse Barboza. “Escolhemos o próximo presidente da República”.

O anúncio ocorre após dias de divisões internas na oposição sobre a candidatura unitária.

A oposição majoritária inscreveu no último minuto González Urrutia como candidato à Presidência, após denunciar que um bloqueio ao sistema de candidaturas impediu a inscrição da acadêmica Corina Yoris, primeira opção de María Corina para representá-la.

O processo ocorreu durante uma prorrogação concedida pelo Conselho Nacional Eleitoral (CNE), acusado de servir ao chavismo.

O diplomata foi presidente do partido Mesa da Unidade Democrática (MUD), substituído posteriormente pela PUD, e sua candidatura era provisória, enquanto outro candidato era definido.

“Celebramos esta decisão e agradecemos aos venezuelanos pela confiança”, indicou no X o partido Vamos Venezuela, de Machado, que “participou do debate” para definir o nome do candidato de unidade.

Em outubro, Machado conquistou mais de 90% dos votos nas primárias do PUD, e recorreu ao Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) por um mecanismo de negociações entre o governo de Maduro e a oposição para rever as inabilitações. A sanção, no entanto, foi ratificada sob protestos dos Estados Unidos e da União Europeia.

“Venezuelanos, avançamos!”, escreveu a líder liberal no X, antes de uma declaração ao país nas próximas horas, segundo informou seu partido.

(Com informações de AFP)

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo