Mundo

ONU pede que Corte Internacional de Justiça analise ocupação israelense na Palestina

Uma votação saudada pela Autoridade Palestina, enquanto o embaixador israelense denuncia uma “mancha moral na ONU”

Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

A Assembleia Geral das Nações Unidas adotou nesta sexta-feira (30) uma resolução pedindo à Corte Internacional de Justiça que determine “as consequências legais” da ocupação israelense dos territórios palestinos, um dia após a posse do governo mais à direita da história de Israel.

A resolução foi aprovada com 87 votos a favor, 26 contra e 53 abstenções. O texto insta o tribunal da ONU com sede em Haia, na Holanda, a determinar “as consequências legais da violação contínua de Israel do direito do povo palestino à autodeterminação”, bem como suas medidas “para mudar a composição demográfica, o caráter e o status da a Cidade Santa de Jerusalém”.

Os estados ocidentais ficaram divididos sobre o assunto, enquanto os países árabes votaram a favor por unanimidade, incluindo aqueles que normalizaram as relações com Israel. China e Rússia também votaram a favor do texto.

O representante palestino na ONU, Riyad Mansour, disse que a votação envia um sinal ao novo governo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu sobre sua disposição de reforçar políticas “coloniais e racistas” e saudou os Estados que não se deixaram “persuadir por ameaças e pressões”.

Uma votação também saudada no sábado pela Autoridade Palestina: “chegou a hora de Israel se submeter à lei e ser responsabilizado pelos crimes que comete contra nosso povo”, declarou Nabil Abou Roudeïneh, porta-voz do presidente palestino, Mahmoud Abbas.

Sem interesse em diálogo

Antes da votação, o embaixador israelense Gilad Erdan chamou a resolução de uma “mancha moral na ONU”. “Nenhuma organização internacional pode decidir se o povo judeu é ocupante em sua própria terra natal”, acrescentou. “Qualquer decisão de uma organização judicial que recebe seu mandato de uma ONU politizada e moralmente falida é completamente ilegítima”, acrescentou ele.

A resolução também pede a Israel que ponha fim aos assentamentos, mas a Assembleia Geral não tem poderes vinculativos, ao contrário do Conselho de Segurança, onde os Estados Unidos, aliados de Israel, têm direito de veto.

Os EUA, o Reino Unido e a Alemanha se opuseram à resolução e a França se absteve. “Não achamos que um encaminhamento à Corte Internacional de Justiça ajudará a trazer as partes interessadas de volta ao diálogo”, declarou o diplomata britânico Thomas Phipps.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.