Mundo

Médicos da rainha Elizabeth II “preocupados” com a saúde da monarca

A saúda da monarca é motivo de crescente preocupação desde outubro do ano passado, quando foi revelado que ela passou uma noite hospitalizada para ser submetida a “exames” médicos que nunca foram detalhados

Foto: Frank Augstein / POOL / AFP
Apoie Siga-nos no

Os médicos da rainha Elizabeth II, de 96 anos, estão “preocupados” com a saúde da monarca e recomendaram que ela seja colocada sob supervisão médica no castelo escocês de Balmoral, informou nesta quinta-feira (8) no Palácio de Buckingham.

“Após uma nova avaliação esta manhã, os médicos da rainha estão preocupados com a saúde de Sua Majestade e recomendaram que ela permaneça sob vigilância médica”, afirma um comunicado.

“A rainha continua se sentindo confortável e permanecerá em Balmoral”, onde costuma passar o final do verão, acrescentou o palácio na breve nota.

Os integrantes mais próximos da família foram informados sobre o estado de saúde, segundo a agência britânica de notícias PA. A nova primeira-ministra, Liz Truss, expressou a preocupação do país pela notícia.

O herdeiro da coroa, o príncipe Charles, de 73 anos, e o filho deste, William, de 40 anos, viajaram a Balmoral, que fica 800 km ao norte de Londres.

O príncipe Harry e sua esposa Meghan também viajaram à Escócia.

A saúda da monarca é motivo de crescente preocupação desde outubro do ano passado, quando foi revelado que ela passou uma noite hospitalizada para ser submetida a “exames” médicos que nunca foram detalhados.

Desde então, ela reduziu consideravelmente sua agenda, com aparições em público cada vez mais raras e sendo observada caminhando com dificuldade, com o auxílio de uma bengala.

Uma placa anuncia que, nesta quinta-feira 8, não haverá cerimônia de troca de guarda no pátio do Palácio de Buckingham. Os temores pela saúde de rainha Elizabeth II cresceram após nova avaliação médica e recomendação de repouso.
Foto: Daniel LEAL / AFP

País “profundamente preocupado”

Em junho, o Reino Unido celebrou com muita festa o Jubileu de Platina, o aniversário de 70 anos da chegada ao trono de Elizabeth II, que cada vez mais delega funções oficiais ao príncipe Charles.

Na terça-feira, a monarca recebeu em Balmoral o primeiro-ministro demissionário Boris Johnson e a nova comandante do Partido Conservador, Liz Truss, que recebeu a missão de formar o governo como nova líder da maioria parlamentar.

Uma foto do encontro divulgada pelo Palácio de Buckingham, que mostra a rainha cumprimentando Truss, provocou inquietação porque, segundo analistas, a mão da rainha parecia muito arroxeada.

Pela primeira vez em seu longo reinado, Elizabeth II decidiu permanecer em Balmoral e não retornar a Londres, onde geralmente acontece a transição de poder no governo, devido a seus problemas de saúde.

“Todo o país está profundamente preocupado com as notícias do Palácio de Buckingham”, tuitou Truss.

“Meus pensamentos – e os de todos no Reino Unido – estão com Sua Majestade a rainha e sua família”, acrescentou.

Na manhã desta quarta-feira, a Casa Real anunciou que a monarca adiou uma cerimônia virtual depois que os médicos recomendaram repouso.

Elizabeth II praticamente não compareceu às celebrações do Jubileu de Platina, período em que apareceu apenas duas vezes, brevemente, na sacada do Palácio de Buckingham para saudar as dezenas de milhares de pessoas reunidas no local.

Porém, algumas semanas depois ela participou em vários atos públicos na Escócia, ao aparecer sorridente e com uma bengala em um desfile das Forças Armadas em Edimburgo no fim de junho.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo