Mundo

assine e leia

A Inglaterra é ela

A monarca Elizabeth II reflete e ao mesmo tempo molda de forma sutil o mundo em que vivem os britânicos

Aparição efêmera. Após cumprimentar os súditos que lotaram as imediações do palácio e as ruas de Londres, a rainha recolheu-se e evitou acompanhar o resto dos festejos que duraram três dias - Imagem: Daniel Leah/AFP e Ben Stansall/AFP
Apoie Siga-nos no

Caía um temporal quando cheguei ao Finsbury Park na terça-feira 31, fato que, dada a dubiedade da minha missão, só serviu para me deixar ainda mais furtiva. Todo mundo corria para todo lado no meio da chuva, na tentativa de fazer as compras, pegar o ônibus ou recolher os filhos, mas eu estava ali, em fuga do trabalho, com a intenção de passar o resto da tarde a assistir um filme sobre a rainha. Haveria alguém além de mim na sessão das 16 horas do documentário do falecido Roger Michell, ­Elizabeth: A Portrait in Parts (Elizabeth: Um Retrato em Partes), num cinema novo e brilhante em uma das partes mais diversificadas e visivelmente livres de bandeiras de Londres? Imaginei algumas aposentadas com as bolsas no colo, mas mesmo elas pareciam uma perspectiva improvável.

Com certeza, eu compunha exatamente a metade do público naquela tarde, os outros 50% eram uma jovem que parecia quase tão esquiva quanto eu. Mas então o filme começou, e todas essas coisas – frieza, cinismo, a sensação de que hoje em dia no Reino Unido é quase um dever ser republicano – desapareceram. O filme de ­Michell, bem na moda, não tem narradores. Não há biógrafos da realeza a tagarelar, nem correspondentes da realeza ansiosos a fingir que sabem mais do que sabem.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo